PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

PMs são suspeitos de transportar drogas em ambulância falsa no Rio

Do UOL, no Rio

23/04/2018 13h37Atualizada em 23/04/2018 16h08

Oito policiais militares do Rio de Janeiro estão sendo investigados por suposta participação em um esquema de transporte de drogas dentro de uma ambulância falsa na favela da Rocinha, na zona sul da cidade.

Eles foram detidos no domingo (22) após uma denúncia anônima. O grupo teria sido visto abordando a ambulância (que não pertencia a nenhuma unidade de saúde específica) e retirando pacotes de drogas de dentro dela e os colocando em outros dois veículos.

Os policiais suspeitos pertencem à Unidade de Polícia Pacificadora. Após a denúncia, eles foram abordados por outros policiais, do Batalhão de Ações com Cães e do 23º BPM (Leblon), que os revistaram. Um pacote de maconha foi achado dentro da ambulância.

Uma das hipóteses investigadas pela Polícia Civil é que os PMs estejam envolvidos com um esquema de retirada de drogas de dentro da favela da Rocinha – que passa por um intenso cerco policial desde o ano passado, quando o local foi palco de um conflito entre as facções criminosas Comando Vermelho e Amigos dos Amigos.

Outra linha de investigação é que os policiais tenham interceptado um carregamento de drogas que vinha de São Paulo na ambulância e decidiram desviá-lo ao invés de apreender.

Além da Unidade de Polícia Pacificadora, a favela é patrulhada por cerca de 500 policiais de unidades especiais da Polícia Militar.

Um homem que dirigia a ambulância foi preso em flagrante. Os policiais suspeitos foram detidos e interrogados, mas respondem ao inquérito em liberdade.

O caso ocorre em meio à tentativa da intervenção federal de reestruturar a Polícia Militar e diminuir os casos de corrupção. A favela da Rocinha é considerada pelos interventores um dos pontos mais delicados do Rio.

Fontes ligadas à Secretaria da Segurança Pública disseram à reportagem que o reforço de patrulhamento na favela não poderá ser mantido a longo prazo. Mas a pasta ainda não decidiu se a Unidade de Polícia Pacificadora será ou não dissolvida para dar lugar a uma nova estratégia de patrulhamento.

Cotidiano