Topo

Filha acusa João de Deus de ter abusado dela quando criança

Reprodução
Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

2018-12-12T00:55:10

12/12/2018 00h55

Uma das filhas do médium João de Deus afirmou que sofreu abusos sexuais do pai dos 10 aos 14 anos. A afirmação foi feita em entrevista gravada em 2016 por uma rádio de Goiânia e exibida pelo Jornal da Record na noite desta terça-feira (11).

"Ele é manipulador. Ele é mau. Ele é estranho, é diferente. Eu já pedi muito a Deus que ele se arrependesse do que fez e faz", afirmou Dalva Teixeira no vídeo. Segundo ela, sua mãe havia tido um relacionamento breve com o médium e ela só conheceu o pai quando tinha 10 anos. "[Quando o conheci], ele tirou minha roupa toda, tirou a dele e ficou a noite inteira me molestando", afirmou.

De acordo com Dalva, os casos de abuso se repetiram por quatro anos. "Isso foi até os 14 anos, quando então eu me casei para sair de casa." Ela conta que o pai reagiu com violência ao saber do casamento. "Me bateu muito, muito. Eu fui parar no hospital."

Dalva processou João de Deus, pedindo uma indenização de R$ 50 milhões. O processo corre em segredo.

Um dos filhos de Dalva, Paulo Henrique Ronda, também gravou entrevista em 2016 e disse ter sido espancado a mando do avô por ter ido à Justiça contra ele. "Bateram em mim e no meu irmão. Eram pistoleiros, e um deles disse: 'Não é para matar. É só para dar um susto para eles saberem que estão mexendo com peixe grande'", afirmou.

O jornalista Thiago Mendes, que gravou a entrevista, disse que foi aconselhado por familiares a não exibi-la na época. "Foi por isso que eu guardei e agora, com [os outros casos] vindo à tona, eu decidi publicar", afirmou.

A Record exibiu ainda um segundo vídeo, gravado por Dalva em 2017, em que ela aparece ao lado do pai e afirma nunca ter sido abusada por ele. O vídeo foi divulgado ontem pela defesa de João de Deus. Segundo a reportagem, os advogados de Dalva informaram que ela teria sido coagida a gravar esse segundo vídeo.

Médium nega prática de crimes

O advogado de João de Deus, Alberto Toron, afirmou ao jornal "Folha de S.Paulo", na segunda, que o médium recebeu com "indignação" a notícia de que é acusado de crime sexual e está à disposição das autoridades para esclarecimentos.

Em nota enviada ao programa "Conversa com Bial", a assessoria de imprensa do médium negou as acusações contra ele. "Há 44 anos, João de Deus atende milhares de pessoas em Abadiânia, praticando o bem por meio de tratamentos espirituais. Apesar de não ter sido informado dos detalhes da reportagem, ele rechaça veementemente qualquer prática imprópria em seus atendimentos".

Força-tarefa investiga denúncias contra João de Deus

Band News

Mais Cotidiano