PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Homem joga ácido no rosto de ex-mulher e fere 4 em AL; motivo seria ciúmes

Aliny Gama

Do UOL, em Maceió

26/02/2019 14h02Atualizada em 27/02/2019 00h16

Uma mulher teve o rosto, o couro cabeludo e o dorso queimados ao ser atingida por jatos de ácido muriático jogados pelo ex-marido dela José Gilbenes dos Santos Galvão na cidade de Marechal Deodoro, na região metropolitana de Maceió (AL). O ataque criminoso ocorreu enquanto Erivânia Vicente dos Santos, 36, e a irmã, Erineide Vicente dos Santos, 32, entravam numa loja de roupas, no último sábado (23). 

Segundo a família da vítima, Galvão não aceitava o fim do relacionamento e já teria seguido Erivânia outras vezes quando ela saia do trabalho. Ele se apresentou hoje à polícia, na presença de um advogado, mas não ficou preso porque passou o período do flagrante. Galvão foi indiciado por tentativa de feminicídio e lesão corporal dolosa. O inquérito ainda não foi finalizado porque as vítimas ainda estão internadas e não prestaram depoimento à polícia.

No sábado, quando sofreu o ataque, a mulher tinha acabado de terminar o seu expediente no trabalho, pegou carona com um colega de empresa e foi com a irmã comprar roupas. O ataque foi registrado por câmeras do sistema de segurança da loja.

Nas imagens, Erivânia e Erineide estão na calçada quando são surpreendidas por Galvão, que está com uma sacola nas mãos. O homem joga ácido nas duas e segura o braço de Erivânia, que corre para o interior do estabelecimento. O acusado continua jogando a substância na cabeça da ex-mulher e depois sai tranquilamente da loja sem que ninguém reaja ao ataque. Ele jogou a garrafa que continua ácido muriático na calçada da loja, Outras duas pessoas que estavam próximas às duas mulheres foram atingidas pelo ácido e tiveram partes do corpo queimadas. 

A proprietária do estabelecimento, Evanessa Rodrigues, conta que presenciou "momentos de terror" ao ver Erivânia sendo atacada pelo homem e entrando na loja pedindo socorro.

Ela entrou gritando, pedindo água e dizendo que a pele estava queimando. Depois que acabou o ácido, o homem soltou a mulher, jogou o recipiente na calçada e saiu andando tranquilamente como se nada tivesse feito. Na hora, ficamos apavoradas sem saber o que fazer

Evanessa Rodrigues, dona da loja em que Erivânia foi atacada pelo ex

Erivânia e Erineide estão internadas no HGE (Hospital Geral do Estado), em Maceió, desde o último sábado e não há previsão de alta. O hospital informou que o estado de saúde delas é estável. Erivânia sofreu queimaduras de primeiro e segundo graus na face, no couro cabeludo e no dorso. Já Erineide teve queimaduras de primeiro e segundo graus na face e no punho esquerdo.

As outras duas pessoas atingidas no ataque foram atendidas no sábado e já receberam alta. Os nomes delas não foram informados pelo hospital. A garrafa usada por Galvão para transportar o ácido foi apreendida pela polícia.

Familiares relatam perseguição de Galvão

Familiares de Erivânia contaram que ela e Galvão tiveram um relacionamento de oito meses e que ele estava inconformado com o término. Segundo um famíliar da vítima, que pediu para não ser identificado temendo represália, nos últimos dias Galvão ia frequentemente ao local de trabalho da ex-mulher para agredi-la verbalmente na frente das pessoas. 

"Ele a humilhava sem se incomodar que as pessoas estivessem ouvindo as agressões. Várias vezes, ele ficou rondando o local perto da hora do fechamento e Erivânia passou a não andar mais só", relata. A mãe das duas mulheres foi ouvida pela polícia ontem. O teor do depoimento dela não foi divulgado. 

Ouvido pela polícia, Galvão admitiu que jogou ácido na ex-mulher, mas disse que não premeditou o ataque. O homem afirmou que comprou o ácido muriático para desentupir vaso sanitário e pias da casa dele, pois a mãe dele tem 80 anos, é cega e a tubulação hidráulica da casa que eles residem costuma ter problemas.

Ele alegou que foi uma situação pontual, por ciúmes viu a ex com um rapaz chegando nessa loja e se descontrolou. Segundo ele, o ácido pegou na ex-cunhada porque ela estava próxima do alvo, que era a ex. (Ele disse) Que viu a ex-companheira e a irmã dela com um homem, ficou com ciúmes e a única forma de atingi-la era jogando ácido, que era a única coisa que estava nas mãos

Leonam Pinheiro, delegado de Marechal Deodoro

O delegado informou que Galvão não tem passagem pela polícia e não existe registro de ocorrência de agressões entre as vítimas na delegacia. 

Na noite de hoje, o advogado Augusto Granjeiro informou ter deixado de fazer a defesa de Galvão "por se sentir desconfortável" após formar opinião sobre o caso. "Não me sinto mais confortável em atuar como advogado neste caso em decorrência de eu mesmo, como ser humano, como homem não me comover com a situação", informou por meio de um vídeo.

Cotidiano