Topo

SuperVia indenizará jovens obrigados a fazer sexo oral; PMs são detidos

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

22/07/2019 15h24Atualizada em 22/07/2019 17h25

A SuperVia, concessionária que administra os trens do Rio de Janeiro, vai indenizar os dois jovens vítimas de agressões e abuso sexual por parte de dois seguranças da empresa em 7 de julho. Os dois rapazes foram retirados de uma das composições e obrigados a praticarem sexo oral um no outro.

Segundo a Defensoria Pública, dois PMs e dois seguranças da SuperVia foram identificados como autores da abordagem, mas seus nomes foram preservados. Em um vídeo gravado e postado na internet, a arma de um dos PMs aparece apontada para os jovens. Os dois funcionários ligados à concessionária foram demitidos após uma sindicância ser aberta.

Os dois seguranças e os dois policiais foram presos. Segundo a PM, os agentes estão detidos na Unidade Prisional da PM, em Niterói, na região metropolitana do Rio. "Um processo administrativo disciplinar será aberto para avaliar a conduta dos agentes", informou a corporação por meio de nota.

De acordo com a Defensoria Pública, que mediou a negociação entre as famílias e a SuperVia, os jovens receberão indenização, apoio psicológico e suporte profissionalizante.

O acordo entre as partes é assinado na tarde de hoje. Os valores da indenização não foram divulgados devido a uma cláusula de sigilo.

Relembre o caso

Os dois jovens, com 17 e 18 anos, foram retirados de um trem por seguranças da empresa e também por policiais militares na estação do Maracanã, na zona norte da cidade, em 7 de julho. Nas imagens gravadas pelos próprios agressores é possível ver um dos homens ameaçando os rapazes com uma arma, debochando da situação e ordenando a prática do sexo oral entre eles. No áudio, os responsáveis pelas ameaças afirmam que os garotos são usuários de droga e questionam se a dupla vai continuar comprando maconha.

Após o ocorrido, uma queixa foi formalizada na Polícia Militar por um dos parentes das vítimas. Em depoimento, os jovens identificaram por foto os PMs que participaram da abordagem e das agressões.

Os dois seguranças da concessionária foram identificados e demitidos pela empresa após uma sindicância interna aberta para apurar o caso.

Os guardas e os dois PMs, que segundo a Defensoria Pública também estavam a serviço da concessionária no dia, tiveram mandado de prisão temporária expedido. Eles foram acusados de estupro e publicação de imagens do abuso cometido contra as vítimas.

Na ocasião, a SuperVia considerou que o "ato cometido contra os dois jovens é um desrespeito à dignidade humana e vai contra as premissas de ética e decoro da concessionária. Vale reforçar que todos os funcionários do setor de segurança da empresa são intensamente treinados para agir com idoneidade e respeito em qualquer uma das situações vivenciadas no sistema", disse a empresa através de nota. A PM disse estar investigando o caso e não confirmou o envolvimento de integrantes da corporação.

Mais Cotidiano