Topo

Polícia prende trio suspeito de matar empresário de Minas Gerais

Daniel Leite

Colaboração para o UOL, em São Paulo

14/08/2019 00h18

A polícia prendeu hoje três pessoas que, segundo as investigações, mataram Tibério Augusto Neto, empresário do ramo alimentício e presidente da escolinha de futebol Novos Horizontes, de Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte. O crime foi cometido dentro de um acampamento do MST, onde moravam os acusados.

Tibério estava desaparecido desde o dia 29 do mês passado, quando saiu da capital em direção à sede do projeto esportivo para crianças de 11 a 16 anos de idade. A família registrou o sumiço e a polícia começou as buscas. No dia seguinte, um corpo foi localizado, carbonizado, perto do assentamento dos sem-terra, que fica em São Joaquim de Bicas, também na Grande BH. Na semana passada, os investigadores informaram se tratar do empresário.

Foram presos Maione Barbosa, de 22 anos, Mauri Barbosa dos Santos, de 27, irmão de Maione, e o namorado dela, José Ricardo Bruno de Carvalho, de 39 anos.

Na apresentação dos presos à imprensa, os dois suspeitos disseram que mataram o empresário para vingar o estupro de Maione. Na entrevista, ela também afirmou ter sido violentada por Tibério, mas negou participação no crime.

A polícia não acredita nesta versão e diz que Maione atraiu o empresário até o acampamento para, junto dos comparsas, roubar o carro e dinheiro proveniente dos caixas dos sacolões e de aluguéis. "A gente acredita que ela atraiu ele até aqui numa tentativa de extorsão", afirma o delegado Rafael Lopes Azevedo. O policial, no entanto, não soube dizer o valor.

Segundo o delegado, depois da extorsão, por algum motivo ainda não esclarecido, Tibério foi mantido em cárcere privado e os criminosos decidiram matá-lo dando uma pancada com um pedaço de madeira na cabeça e golpes de faca na região do tórax. Em seguida, carbonizaram o corpo e o jogaram numa área rural, envolto em um cobertor, perto do assentamento onde cometeram o assassinato.

Em depoimento, os três admitiram o crime alegando que queriam o dinheiro e o carro de Tibério, afirma o investigador. "Eles confessaram que mataram. Em princípio eles falaram até num suposto estupro contra a Maione, mas acabaram confessando que estavam atrás do dinheiro, de uma vantagem econômica".

O veículo de Tibério foi localizado no assentamento onde o trio foi preso. A polícia não falou se encontrou o dinheiro extorquido.

Mais Cotidiano