Topo

Polícia investiga mutilação a animais na zona sul de São Paulo

Cachorro de rua teve o corpo furado com barra de ferro na zona sul de SP - Arquivo pessoal
Cachorro de rua teve o corpo furado com barra de ferro na zona sul de SP Imagem: Arquivo pessoal

Cleber Souza

Do UOL, em São Paulo

21/09/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Polícia investiga casos de animais feridos em região da zona sul de SP
  • Há denúncias de mutilações, atropelamentos e mortes de cães e gatos
  • Segundo moradora, alvos são animais sem dono

Uma onda de ataques a animais tem assustado moradores da zona sul de São Paulo e mobilizado a polícia. Desde junho, cães e gatos vêm sendo mortos e torturados na região do Conjunto Habitacional Brigadeiro Faria Lima, no bairro do Grajaú.

Entre os relatos, alguns tiveram orelhas cortadas, olhos perfurados e patas mutiladas. Outros foram envenenados, atropelados e até mortos com tiros.

Os animais sobreviventes foram resgatados e estão sendo mantidos em lares provisórios. Os mortos foram enterrados em um terreno baldio na região pelos próprios moradores.

Vítima de ataque, o gato Francisco foi encontrado com a cauda e patas queimadas por fogo.

Já a moradora Maria (nome fictício), que teve medo e não quis se identificar, encontrou sua gata Chiquinha com o olho perfurado.

"Eu moro em frente à casa da minha filha, então a Chiquinha tinha o costume de ir lá. Um dia ela saiu e voltou com o olho perfurado. Tivemos que amputar um olho dela. Agora ela não sai mais de casa."

Com ajuda de um grupo de protetores de animais, conseguiu bancar o tratamento do animal. Ela ainda relata ter visto um carro atropelar um cachorro de madrugada e fugir.

A bibliotecária Claudia Chamas, 52, do grupo Protetoras do Abrigo Azul, é uma das pessoas que têm denunciado os maus-tratos. Ela diz que os principais alvos são animais em situação de rua. Segundo ela, o abandono de bichos se tornou uma rotina.

"Que tipo de pessoa dá uma facada em um cachorro? As mesmas pessoas que estão machucando os animais passaram a agir não só na calada da noite, mas também durante o dia, cortando-os, perfurando olhos, mutilando patas. Um verdadeiro horror", completou Claudia.

O UOL apurou que esses tipos de ações acontecem com frequência no bairro. A comunidade no Grajaú se divide entre prédios baixos e casas de alvenaria. O chão é de barro e de difícil acesso. No dia em que a reportagem esteve no local, foi possível ver ao menos 20 cães e gatos espalhados pela região. Muitos estavam sujos e assustados.

Após maus-tratos, moradores passaram a acolher e alimentar animais - Arquivo pessoal
Após maus-tratos, moradores passaram a acolher e alimentar animais
Imagem: Arquivo pessoal

Silvana Andrade, presidente da Anda (Agência de Notícias dos Direitos Animais), afirma que as autoridades não dão importância para os animais.

"Nós temos uma grande dificuldade com dados estatísticos. Espero que as autoridades comecem a relacionar e a cobrar pela morte de um animal assim como se cobra respostas pela morte de um ser humano. Alguns países já fazem isso", afirma Silvana.

Delegacia diz que buscas continuam

Procurado pelo UOL, o 101º Distrito Policial do Jardim das Imbuias, na Cidade Dutra, responsável pelo caso, diz que foi feita uma investigação no local. Segundo a polícia, há diversos animais abandonados e com indícios de maus-tratos.

A delegacia ainda afirma que as pessoas denunciam os casos, mas sem indicar suspeitos por medo de retaliações. As buscas por suspeitos continuam e ajudam a inibir os ataques a animais.

A Polícia Civil tem 30 dias para concluir o inquérito. Caso não seja apontado um suspeito, será arquivado.

Gato ferido ganhou uma nova casa

Francisco foi adotado após cuidados da ONG Salvagato - Arquivo pessoal
Francisco foi adotado após cuidados da ONG Salvagato
Imagem: Arquivo pessoal

O grupo Protetoras do Abrigo Azul tem acolhido animais que se encontram em situação de rua. Faltam ração e remédios. Alguns animais já foram adotados, como o gato Francisco. Ele ganhou um novo lar na ONG Salvagato. Outros aguardam por adoção.

"Moradores estão colocando os animais para dentro de suas casas para evitar os ataques. Cães e gatos estão disponíveis para adoção, mas precisam de ração e medicamentos", afirma a bibliotecária Claudia, que deixou seu contato para quem se interessar em ajudar ou em algum animal: (11) 98277-1558.

Mais Cotidiano