Topo

Homem é morto ao tentar ajudar mulher que gritava por ajuda em varanda

Joel Junior foi morto por uma facada no tórax no último sábado (21) - Reprodução/Facebook
Joel Junior foi morto por uma facada no tórax no último sábado (21) Imagem: Reprodução/Facebook

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

23/09/2019 11h12

Joel Junior, 26, foi morto por uma facada no tórax, na manhã do último sábado (21), ao tentar socorrer uma mulher que pedia por ajuda na varanda de um imóvel no bairro de Jardim California, na cidade de Nova Friburgo, na região Serrana do Rio.

De acordo com o delegado Gilberto Soares, responsável pelo caso, Joel e um amigo, identificado como Marcelo, forçaram o portão de um prédio ao ouvir o grito por ajuda e ao chegarem na porta do apartamento, foram recebidos por Adeílson, companheiro da mulher, armado com uma faca de churrasco.

Joel foi atingido no tórax e morreu no local.

"O Joel foi atingido de maneira que a faca chegou a ser quebrada. A lâmina chegou a sair do cabo. Ele caiu morto na mesma hora. Já o Marcelo sofreu um arranhão no braço", disse Soares

De acordo ainda com o delegado, a Polícia Militar foi acionada para o caso. O agressor, identificado apenas como Adeílson, resistiu à prisão, mas ao perceber que os policiais invadiriam o imóvel, acabou se entregando. Ele confessou o crime e mostrou aos policiais onde havia escondido o que sobrou da faca.

Segundo depoimento prestado na delegacia, Adeílson não demostrou arrependimento. Já a companheira, Jéssica, informou que o casal passou a noite bebendo e que no dia seguinte, ao tentar deixar o apartamento, ela foi impedida por ele. Na tentativa de buscar ajuda, ela foi até a varanda do apartamento.

Jéssica negou que tenha sido agredida pelo companheiro. Com isso, a polícia entendeu que ocorreu constrangimento ilegal da mulher.

O agressor foi preso em flagrante e será indiciado por homicídio qualificado por motivo torpe e lesão corporal.

"Nós entendemos que houve um homicídio qualificado no que se refere ao Joel e lesão corporal no caso envolvendo o amigo, o Marcelo, mas o Ministério Público pode aditar esse último para tentativa de homicídio. Depende do entendimento", disse o delegado.

Após a prisão de Adeílson, o imóvel onde ele morava foi invadido por vizinhos e depredado. O apartamento era alugado. O proprietário compareceu a delegacia para registrar um boletim de ocorrência sobre o prejuízo.

Mais Cotidiano