Topo

Antes de pisoteio e mortes, PM cercou baile, dizem frequentadores

Bernardo Barbosa e Cleber Souza

Do UOL, em São Paulo

01/12/2019 14h56

Policiais militares cercaram um baile funk na favela de Paraisópolis, zona sul de São Paulo, e impediram sua dispersão, relataram participantes do evento à imprensa. O cerco teria levado quem estava na rua a correr para uma viela — e o resultado foi a morte de pelo menos nove pessoas pisoteadas. A Polícia Militar nega ter encurralado os frequentadores.

Segundo o estudante de direito Luiz Henrique, 26 anos, é comum que policiais militares sejam chamados para acabar com bailes e, por vezes, ajam com truculência para dispersar a festa. No entanto, mesmo quando há agressões e uso de munição não letal, os policiais "geralmente deixam o pessoal correr". Segundo ele, não foi o que ocorreu na última madrugada.

"Eles fecharam dos dois lados, e todo mundo correu para uma viela de três metros de largura. Quem estava na frente caiu", afirmou. Um vídeo que circula nas redes sociais (veja abaixo) mostra policiais encurralando frequentadores do baile, mas não há confirmação de que a gravação foi feita durante esta madrugada.

Ainda de acordo com Luiz, policiais chegaram a jogar bombas de efeito moral na viela, o que deixou os frequentadores — adolescentes, em sua maioria — mais desesperados. "Um outro policial mandou pararem", disse.

À GloboNews, uma frequentadora que não quis se identificar disse que não conseguiu fugir da polícia.

Frequentadores rebatem versão da PM

Luiz Henrique e outras duas pessoas presentes ao baile que foram ouvidas pelo UOL e pediram anonimato também rebateram a versão da PM de que uma moto com duas pessoas entrou no baile "ainda efetuando disparos, ocasionando um tumulto entre os frequentadores do evento", depois de terem atirado contra policiais.

"É mentira. Eles (PM) que já chegaram atirando, pisoteando a cara das pessoas, quebrando carros e motos. Foi tudo planejado", disse um jovem morador de Paraisópolis, que prefere não se identificar por medo e que estava no momento da ação da PM na comunidade.

Segundo este mesmo jovem, o que aconteceu foi uma "cena de horror."

"Um amigo meu acabou falecendo. Eles [os policiais] fizeram isso por vingança e pessoas que não têm nada a ver estão pagando", afirmou.

Um outro morador de Paraisópolis afirmou que, depois da morte de um sargento em confronto na favela no começo de novembro, começaram a circular rumores entre comerciantes no bairro de que "haveria uma chacina". Este morador também pediu anonimato.

"Os donos de bares estavam todos com medo. O que aconteceu ontem foi uma vingança pela morte do policial", disse.

O estudante Luiz Henrique afirma ainda que ouviu relatos de que uma jovem teria sido atingida por uma garrafa por um policial militar. Ela estava no chão durante a dispersão e, quando levantou, foi agredida; de acordo com Luiz, a jovem foi em um primeiro momento para uma unidade de saúde de Paraisópolis, e depois transferida para um hospital particular.

Cotidiano