PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Esse conteúdo é antigo

Dente de animal pré-histórico é encontrado durante pescaria no RS

Dente de Stegomastodon encontrado no Rio Grande do Sul - Arquivo pessoal
Dente de Stegomastodon encontrado no Rio Grande do Sul Imagem: Arquivo pessoal

Hygino Vasconcellos

Colaboração para o UOL, em Porto Alegre

17/12/2019 15h34

Um dente de um animal pré-histórico foi encontrado em um rio em Maquiné, no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, na semana passada. O fóssil tem cerca de 20 centímetros de comprimento e foi encontrado durante uma pescaria. Segundo pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), o dente é de um animal muito parecido com os mamutes, bastante comuns na América do Sul.

A dona de casa Rosineide Schmitt, 37 anos, explica que seu marido estava de férias pescando quando encontrou o fóssil nas pedras na beira do Rio Maquiné, que passa na frente da casa da família. "Ficamos admirados, ainda mais daquele tamanho. Nunca ninguém havia encontrado algo parecido antes", contou para o UOL. O achado aconteceu no dia 10 deste mês, mas só veio à tona após o casal enviar fotos da peça para um rede de televisão local.

Stegomastodon - Reprodução - Reprodução
Stegomastodon
Imagem: Reprodução

A identificação foi feita pelos doutorandos do Laboratório de Paleontologia de Vertebrados da UFRGS Maurício Schmitt e Pedro Fonseca e pelo pesquisador do Consejo Nacional de Investigaciones Científicas e Técnicas da Argentina (Conicet) Agustín Martinelli. Em nota, os pesquisadores afirmaram que se trata de um dente superior de Gomphotheriidae, possivelmente do gênero Stegomastodon, animal muito parecido com o elefante atual, com cerca de 2,5 metros de altura e 7,5 toneladas. Esse grupo viveu durante o Pleistoceno, entre 2,5 milhões e 11.700 anos atrás.

"O interessante é que já foram encontrados indícios de que o homem se alimentava desse grupo de animais (foram encontrados ossos queimados e com marcas de ferramentas de caça)", observaram os pesquisadores na nota.

A legislação brasileira, lembra os estudiosos, proíbe ter fósseis em casa. Por isso, eles devem ser depositados em coleções científicas. Por enquanto, o dente do animal pré-histórico permanece na casa da família.

Cotidiano