PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
7 meses
Dono vê incêndio em Havan de São Carlos como terrorismo e quer nova estátua

Estátua da loja Havan pega fogo em São Carlos (SP) - Reprodução/Twitter/Jett Jacon
Estátua da loja Havan pega fogo em São Carlos (SP) Imagem: Reprodução/Twitter/Jett Jacon

Do UOL, em São Paulo

31/12/2019 15h41

O empresário Luciano Hang, proprietário das lojas Havan, condenou hoje o incêndio que destruiu uma estátua de uma das unidades de sua rede na cidade de São Carlos, no estado de São Paulo. Em transmissão ao vivo nas redes sociais, Hang classificou o fogo como um ato de terrorismo e pediu providências das autoridades.

"É lamentável eu ter que vir aqui no último dia do ano (...) falar de um ato terrorista que aconteceu em nossa loja em São Carlos. Espero que as autoridades possam elucidar esse caso e possam punir os responsáveis. Só vamos mudar esse país com coragem de poder afrontar o que está errado e coibir atos de terrorismo, que tentam afrontar e me intimidar. Jamais vão conseguir: eu amo esse país e vou lutar todos os dias para fazer um país cada vez melhor para todos os brasileiros", afirmou.

Aos seguidores, Luciano Hang ainda lembrou o ataque à sede da produtora do Porta dos Fundos no Rio de Janeiro, no último dia 24, recriminando o que também demonstrou entender como um ato de terrorismo político e propondo a discussão de ideias "sem criminalidade". Em seu discurso, porém, comparou os dois casos e fez duras críticas a setores da esquerda, vinculando o incêndio em São Carlos a questões ideológicas.

"Quando colocaram fogo no Porta dos Fundos — o que eu também recrimino, acho que ninguém tem que ser cerceado —, a mídia perguntou: nossos representantes não vão falar nada? Eu pergunto à grande mídia nacional: o que vocês acham? É um ato de terrorismo político ou não é? Se era da direita, agora é da esquerda? Nós precisamos discutir ideias. Agora, jamais com criminalidade, com morte, com faca, com incêndio. Estamos vivendo um país como o Chile, que está sendo inflado pela esquerda da América Latina — Cuba, Venezuela e esse pessoal do Foro de São Paulo", disse.

"Esse pessoal do 'Lula livre', da esquerda, que picha muro, que esfaqueia, que coloca fogo nas propriedades dos outros, esse pessoal ama a Venezuela, Cuba, a Coreia do Norte. Esse pessoal não quer que as pessoas falam (sic) a verdade, não quer que o Brasil vá para frente, que o Brasil seja como os EUA, Cingapura, a Inglaterra", afirmou também.

Estátua da loja Havan pega fogo no interior de SP

Hang anunciou também que suas lojas — incluindo a de São Carlos — contam com câmeras de segurança que podem oferecer imagens em apoio às investigações. "Neste momento, todas as 141 lojas da Havan no Brasil (...) estão de olho. Vamos aumentar nossa segurança, vamos atrás desses bandidos", disse.

O proprietário da rede de lojas ainda lamentou que pessoas tenham celebrado o incêndio nas redes sociais e se prontificou a "discutir ideias". Ao mesmo tempo, aproveitou o desabafo para fazer novas críticas à esquerda.

"Eu fico muito triste de pessoas comemorando o fogo na Estátua da Liberdade. Fico mais triste ainda com pessoas que incitam outros cidadãos a colocar fogo nas lojas, em ônibus, a destruir nosso país. Quero discutir ideias, quero contribuir para o país. O Brasil, uns anos atrás, era um país de mão única, todo mundo indo para o lugar errado, para a esquerda, se dirigindo a Cuba, à Venezuela, e até a uma Argentina. A partir do ano passado, as pessoas começaram a abrir a cabeça, ler outros livros (...). Abriram a cabeça e agora é Deus, família, ordem e progresso. Nessa, eu estou junto. Eu não vou desistir do Brasil. Eu sou brasileiro."

Planos de nova estátua

Luciano Hang ainda prometeu que uma nova réplica da Estátua da Liberdade, adorno frequentemente presente nas lojas de sua rede, será instalada na unidade de São Carlos.

"Temos imagens de colaboradores nossos chorando, de pessoas da cidade de São Carlos indignadas com o acontecimento. Quero dizer que a Estátua da Liberdade é nosso símbolo. Representa a liberdade, a transparência que devemos ter em nosso país. A estátua em São Carlos logo estará de volta, mais bonita", prometeu, reforçando sua tese de que o incêndio no interior de São Paulo foi doloso.

"Eu estou chocado. Olha as imagens de São Carlos. É vandalismo, é coisa de malandro (...). Esse pessoal não acredita na democracia, não acredita na liberdade de expressão. Esse pessoal quer continuar mamando nas tetas do governo. Quebraram nosso país - ética, moral economicamente. Não querem que o Brasil ande para frente. Conclamo a todos os brasileiros do bem que lutem por esse país. Eu poderia estar na praia, em qualquer lugar do mundo, (mas) estou no nosso escritório tentando mudar nosso país", discursou também.

Faixas contra Lula

O empresário aproveitou a live para falar sobre as faixas exibidas por aviões no litoral de Santa Catarina neste final de ano contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Pagas por Hang, as faixas trazem os dizeres "Lula cachaceiro, devolve o meu dinheiro". Lula entrou com pedido de liminar contra as manifestações, mas a medida foi negada pela Justiça.

"Não se pode cercear a liberdade de expressão de um cidadão brasileiro. Parabéns à Justiça, as faixas vão continuar. Por onde passa, é um sucesso. As pessoas aplaudem. Em Santa Catarina, as pessoas aplaudem, porque acreditam na mudança desse país", disse Luciano Hang, pedindo para que outros empresários repitam a iniciativa.

"Tem mais quatro faixas, uma melhor que a outra. Amanhã começa mais uma faixa aqui no litoral catarinense. Quem sabe mais outros empresários se animam, colocam avião no litoral do Rio Grande do Sul, no litoral do Paraná, de São Paulo, do Rio de Janeiro, do Nordeste, para que nós possamos passar a mensagem que nós precisamos passar à população: temos que escrachar essa esquerda que acabou com o nosso país."

Ouça o podcast Ficha Criminal (https://noticias.uol.com.br/podcast/ficha-criminal/), com as histórias dos criminosos que marcaram época no Brasil.

Este e outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Cotidiano