PUBLICIDADE
Topo

Atiradores impedem saques no Espírito Santo, e Eduardo Bolsonaro festeja

Vinicius Rangel

Colaboração para o UOL, em Tangará da Serra

26/01/2020 20h12

A chuva no Espírito Santo já deixou 8.914 mil desalojados e desabrigados, de acordo com o último relatório divulgado pela Defesa Civil do Estado. Em Cachoeiro do Itapemirim, houve tentativas de saque a lojas, mas foram impedidos por atiradores.

Com o nível do rio Itapemirim mais baixo, depois que chegou a mais de seis metros acima do normal, começaram as tentativas de saque.

Um vídeo que circulou na internet mostra pessoas que estariam tentando saquear estabelecimentos na Rua Siqueira Lima, no Centro.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) retuitou post do deputado estadual Capitão Assumção (PSL-ES) com vídeo em que o saque é estancado por tiros disparados por três homens armados.

Segundo relatos, um dos atiradores chegou a usar spray de pimenta em um dos suspeitos de saque.

Um comerciante de 32 anos, que pediu para não ser identificado, afirmou ao UOL que todos estão com medo do que pode acontecer ainda durante a noite de hoje.

"Se não fossem aqueles atiradores a gente estaria praticamente sem nada agora. Já perdemos muitas coisas por causa da chuva e agora vêm esse bandidos tirar o que conquistamos com tanto esforço. Vamos ter que pagar alguém pra vigiar ou dormir na porta com pedaço de pau", contou.

Havia a informação de que os atiradores seriam policiais à paisana. No seu tuíte, Eduardo Bolsonaro diz que "policiais a paisanas que só puderam botar ordem porque estavam armados. Armas defendem, armas salvam".

Por meio de nota, a Polícia Militar afirmou que não reconhece, nem recebeu denúncias apontando os responsáveis pelos disparos.

"Medidas inadequadas e ilegais para o controle de eventuais criminosos que se valem da tragédia para o cometimento de crimes, não são compactuadas pela instituição e vão de encontro aos seus valores. De qualquer modo, é precipitada a afirmação de que os homens que aparecem no vídeo são policiais militares, pois, até agora, nenhum deles foi reconhecido como tal. Se em algum momento essa informação for confirmada, a medidas cabíveis serão imediatamente adotadas", disse a PM, através de nota.

A Polícia Civil também afirmou por nota que não houve registro de Boletim de Ocorrência relacionado ao fato e não foi possível identificar as pessoas que aparecem nos vídeos.

"O caso seguirá sob investigação, com o objetivo de identificar os autores dos furtos e dos disparos de arma de fogo em via pública", explicou em nota da Polícia Civil.

Cotidiano