PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
5 meses

Amapá: Moradores protestam contra a falta de energia em Macapá

Incêndios durante protestos em Macapá - Arquivo Pessoal
Incêndios durante protestos em Macapá Imagem: Arquivo Pessoal

Gabryella Garcia

Colaboração para o UOL, Blumenau (SC)

08/11/2020 14h25

Moradores de Macapá (AP) se reuniram na noite de ontem para protestar contra a falta de energia e situação calamitosa que todo o Estado está enfrentando desde de segunda-feira (2). As manifestações, que aconteceram nos bairros Buritizal, Nova Esperança, Açaí, Santa Inês (orla da cidade), Zerão, Jardim Marco Zero e Residencial São José, foram motivadas pelo fato de os moradores dessas localidades não terem recebido "sua parcela" de energia no racionamento e estarem sem energia desde o primeiro dia de apagão.

Para Marcella Viana, historiadora de 27 anos, o sentimento é de revolta na maior parte do tempo, por saber que nenhum outro Estado do país passaria por algo parecido. A moradora também fez um relato ao UOL sobre a rotina nesses dias e contou sentir muito medo.

"Nós não conseguimos armazenar comida e o fato de não saber como está funcionando o racionamento também não nos dá segurança para adquirir nada. Todo dia é uma luta atrás de comida, ontem só consegui depois da meia noite, depois de pegar muita fila. A questão da covid-19 aumenta o medo de tudo, porque estamos enfrentando muita fila para qualquer coisa", relata a historiadora.

Marcella também informou que o estoque de sangue do Instituto de Hematologia e Hemoterapia do Amapá (Hemoap) está muito baixo e que o Banco de Leite Materno também está com muitas dificuldades para armazenamento. Em relação aos mercados, velas chegam a custar R$ 15,00 nos locais.

Além disso, a água também não chega às torneiras pela Companhia de Água e Esgoto do Amapá (CAESA) e os moradores estão tendo que carregar baldes para se virar. Marcella, inclusive, conversava com o UOL enquanto enchia um garrafão em uma torneira clandestina que "volta e meia brota água".

Para cobrar um posicionamento e solução por parte do Governo e da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) os moradores organizaram, pelas redes sociais, um novo protesto para hoje às 16h. Uma das principais reclamações dos moradores é que a CEA não repassa nenhuma informação há mais de 24h e nem informa os critérios para o rodízio.

Funcionamento do rodízio

Está circulando pelas redes sociais um cronograma com o funcionamento do rodízio e bairros e municípios atendidos. A CEA, entretanto, informou ao UOL que a informação é falsa.

O órgão também informou que hoje pela manhã, até meio dia, será disponibilizado o cronograma completo e verdadeiro de como o rodízio irá funcionar. Também foi adiantado para a reportagem do UOL que o critério adotado será o de disponibilizar energia em um intervalo de 6h em 6h (ou seja, 6h com energia e, depois, 6h sem energia) em Macapá, Santana e outros 13 municípios que estão sendo afetados com o apagão.

Cotidiano