PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês
Mulher usa guarda-chuva para reagir a roubo e recupera celular em SP

Felipe Munhoz*

Colaboração para o UOL, em Lençóis (BA)

05/12/2020 14h00

Uma mulher reagiu a um roubo com um guarda-chuva e conseguiu recuperar o celular na região central de São Vicente, no litoral de São Paulo. Imagens de câmeras de segurança dos comércios da região, obtidas pelo UOL, flagram o momento da ação do suspeito, que estava em uma bicicleta, e a reação da vítima, acompanhada por outra mulher.

O funcionário de uma loja da região, que preferiu não se identificar, disse ao UOL que a tentativa de roubo aconteceu na rua Ipiranga, no centro da cidade. "Na quinta-feira de tarde, um rapaz observou as meninas no ponto da lotação com o celular na mão e aí ele vem de encontro a elas e toma o celular. Quando ele tenta fugir, elas jogam o guarda-chuva, alguma coisa, não sei, e parece que ele se desequilibrou e caiu. Daí juntou os populares e começaram a bater nele".

O relato do funcionário vai ao encontro dos vídeos das câmeras de segurança que filmaram a cena. As imagens mostram duas mulheres aguardando na calçada, quando um homem, em uma bicicleta, pega o celular da mão de uma delas.

Em seguida, a mulher corre atrás do suspeito e atira o guarda-chuva na direção dele, que se desequilibra e cai da bicicleta. Neste momento, as mulheres alcançam o homem e começam a agredi-lo. Um outro homem surge na imagem, dá chutes e socos, e tenta imobilizar o rapaz.

Depois, mais um homem tenta segurar o suspeito. A vítima, então, novamente vai para cima do rapaz e começa a atingi-lo com o guarda-chuva. Outras pessoas observam a cena e a imagem é cortada.

A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP), que afirmou que, "até o momento, não foi localizado registro de ocorrência semelhante nas unidades da região".

Em caso de assalto, entregue o objeto

O ex-secretário Nacional de Segurança Pública coronel José Vicente alerta que, em caso de assalto, a vítima deve sempre entregar o objeto e não oferecer resistência.

"A pessoa deve ter um condicionamento de que o pior pode acontecer, uma agressão ou algo muito perigoso. A vítima deve se livrar o mais rápido possível dessa situação ameaçadora. Isso só acontece entregando o objeto. Objetos são sempre passíveis de reposição: pode-se comprar outro. O prejuízo certamente é menor do que ser agredido, levar um tiro ou morrer", disse.

O coronel aposentado da Polícia Militar de São Paulo explica o que se passa na cabeça do bandido em um momento do assalto.

"A pessoa quando está se preparando um assalto, espera a continuidade da sua ação com a vítima entregando aquele objeto que ela quer. Quando isso não acontece, há uma aceleração emocional no criminoso, e ele pode, neste momento de descontrole, simplesmente disparar".

* Com informações de Simone Machado, colaboração para o UOL, em São José do Rio Preto (SP)

Cotidiano