PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Após Fux, Alexandre de Moraes dá bronca em advogado no STF: "Não é futebol"

Eduardo Militão e Lucas Borges Teixeira*

Do UOL, em Brasília e em São Paulo

08/04/2021 16h50Atualizada em 09/04/2021 13h39

Ao votar pelo fechamento temporário de templos quando esta for a orientação das autoridades de saúde, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes criticou advogados que interrompiam seu voto.

"Isso não é jogo de futebol, para cada um desagravar, falar", protestou ele nesta quinta-feira (8). "Eu espero poder votar sem os advogados interromperem por supostas questões de fato [pedido para corrigir informações erradas usadas em um voto]", continuou.

Hoje, o plenário vota se cultos e missas podem ser realizados presencialmente mesmo quando o Executivo ordene o fechamento temporário. Gilmar Mendes, o relator, e Moraes votaram pelo fechamento dos templos. Kassio Nunes Marques votou pela abertura limitada a 25% da lotação e outras medidas de proteção contra a pandemia de coronavírus.

No sábado (3), véspera da Páscoa, Nunes Marques, indicado para o cargo por Jair Bolsonaro (sem partido), concedeu uma liminar permitindo cultos e missas. Na segunda-feira (5), Gilmar Mendes deu ordem no sentido contrário, mantendo a proibição de templos abertos naquelas situações.

Quando Moraes começou a votar, o ministro Luiz Fux deu a palavra a um advogado. O defensor reclamou de outro advogado que, segundo ele, estava revirando os olhos para ironizar o voto de Kássio Nunes Marques, e pediu um desagravo ao ministro. Fux concordou e fez um desagravo em nome do tribunal.

*Com Douglas Porto, do UOL, em São Paulo, e Letícia Simionato, colaboração para o UOL

Cotidiano