PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Jovem que entrou em medicina aos 14 anos se forma e quer combater a covid

José Victor Teles com o diploma de medicina em mãos - Reprodução/TV Sergipe
José Victor Teles com o diploma de medicina em mãos Imagem: Reprodução/TV Sergipe

Colaboração para o UOL, em São Paulo

12/05/2021 12h15

José Victor Teles, jovem que ficou conhecido por ter sido aprovado em medicina na Universidade Federal de Sergipe, em 2015, quando tinha 14 anos, se formou este ano no curso e já está mirando em seu primeiro trabalho: o combate à pandemia no país.

Com o diploma em mãos, o sergipano afirmou para a TV Sergipe, afiliada da Rede Globo, que não ter pressa para buscar uma especialização e que pretende atuar na linha de frente contra a covid-19.

No momento, a única especialidade que podemos ter é de médicos combatentes na linha de frente para poder enfrentar essa pandemia.

Graduado aos 20 anos, Teles afirma ser o médico mais novo de que se tem conhecimento. "Após buscas criteriosas, encontrei médicos no Brasil com 23 anos e com 22. Nos Estados Unidos encontrei um com 21 anos, na Universidade de Chicago. Não há nenhum caso registrado de medicina com 20 anos de idade", disse.

Essa marca contou com a ajuda de uma portaria aberta pelo governo federal que, em função da pandemia, antecipou a graduação de estudantes do último período do curso.

Se a saída da faculdade foi agilizada, a entrada, por outro lado, precisou ser conquistada na justiça, uma vez em que Teles não havia concluído o ensino médio ao passar no vestibular.

José Victor Teles no trote, após consegui a aprovação na Federal aos 14 anos - Jadilson Simões/UOL - Jadilson Simões/UOL
José Victor Teles no trote, após consegui a aprovação na Federal aos 14 anos
Imagem: Jadilson Simões/UOL

"Momento ímpar para qualquer pai, qualquer família. Não encontro o que dizer", disse José Mendonça Teles, emocionado durante a entrevista.

Além de Teles, a UFS formou mais 28 médicos em sua turma. Taís Meira, colega de classe do jovem, também pretende atuar na linha de frente contra a covid-19 para "dar o retorno" do que foi recebido pela sociedade durante os seis anos de curso.

Cotidiano