PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
2 meses

Criança de 10 anos morre após celular ligado na tomada explodir, em Alagoas

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Maceió

26/07/2021 12h54

Uma menina de dez anos morreu após sofrer queimaduras provocadas pela explosão de um aparelho celular que estava sendo carregado, em Pão de Açúçar (AL), a 235 km de Maceió. A garota estava internada desde o último dia 15 de julho, no HGE (Hospital Geral do Estado), na capital alagoana, com ferimentos de 2º e 3º graus e não resistiu.

De acordo com a família, a menina estava usando fone de ouvidos com o telefone sendo carregado na tomada de energia elétrica, durante a madrugada. Na explosão, um bebê de dois anos, irmão da vítima, bem como a avó materna, também acabaram feridos. O imóvel, localizado no povoado de Santiago, zona rural do município, pegou fogo e ficou parcialmente destruído. O quarto onde o aparelho estava ficou totalmente destruído, como também camas, guarda-roupas e outros objetos que estavam no cômodo. Vizinhos ajudaram a apagar o incêndio usando água com baldes.

As vítimas receberam os primeiros socorros na Unidade Mista doutor Djalma Gonçalves, em Pão de Açúcar. Depois, foram transferidas em ambulância para o Hospital Regional doutor Clodolfo Alves, em Santana do Ipanema, a 49km de Pão de Açúçar. No entanto, devido à complexidade dos ferimentos, os irmãos foram transferidos para o Hospital de Emergência de Arapiraca. No mesmo dia, a menina precisou ser transferida para o HGE, em Maceió. Ela teve 40% do corpo queimado, principalmente nos braços e pernas.

A garota foi submetida a uma cirurgia no HEA, mas com o agravamento do quadro de saúde, precisou ser transferida para Unidade de Queimados do HGE e, então, para um leito de UTI, onde faleceu às 5h40 de ontem.

Já o bebê segue internado em um leito de enfermaria do HEA. O menino sofreu queimaduras no pé e mão esquerdos, de acordo com boletim médico divulgado pelo HEA ontem. Ele não corre risco de morte.

A Polícia Civil de Alagoas investiga o caso para apurar as responsabilidades. A marca do aparelho de telefone celular não foi informada e nem se o carregador era original.

Cotidiano