PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Casal é preso após agredir motorista de app em discussão por corrida

Pedro Paulo Couto

Colaboração para o UOL, em Goiânia

18/10/2021 12h13Atualizada em 18/10/2021 12h13

Um casal foi preso por lesão corporal grave, em Goiânia (GO), por ter espancado um motorista de aplicativo, de 68 anos, segundo a Polícia Civil. O caso aconteceu no sábado (16), em um posto de combustíveis, e uma câmera de segurança do local gravou as agressões.

A vítima, Ismar Gonçalves dos Santos, teve costelas quebradas, um dos pulmões perfurados e está com uma luxação na cabeça internado em estado grave.

O motorista foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e encaminhado ao Cais (Centro de Atendimento Integral à Saúde) Cândida de Morais, mas, devido às lesões graves, precisou ser transferido para o Hugol (Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira). A reportagem entrou em contato com a unidade de saúde, na manhã de hoje, e aguarda uma atualização do estado de saúde da vítima.

Discussão

Ao UOL, o delegado Eduardo Carrara, que fez o flagrante, disse que a confusão ocorreu porque o motorista demorou a chegar ao local do início da viagem e, depois disso, desistiu de terminar a corrida porque estava sendo ofendido pela passageira. A mulher então ligou para o marido, que foi até o posto de combustível e agrediu o motorista.

As imagens mostram que a vítima fala ao telefone, quando o suspeito inicia as agressões. Ismar é derrubado e depois chutado também pela mulher, quando já está caído.

"É possível ver que a vítima não teve nenhuma reação, e o estado de saúde do motorista é grave. Por isso, os envolvidos foram autuados por lesão corporal, e sem fiança. As imagens são claras das agressões", afirmou o delegado, ao UOL.

Eduardo Carrara disse que a mulher estava bastante alterada. "Ela chutou o motorista, que chegou a ter crises convulsivas", contou o delegado. Segundo ele, o inquérito continua e mais pessoas serão ouvidas, principalmente funcionários do posto de combustíveis, que presenciaram o fato.

Como os nomes dos suspeitos não foram divulgados pela polícia, não foi possível localizar a defesa do casal para um posicionamento.

Cotidiano