PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Músico sofre ataque em bar de SP e suspeita que agressores eram neonazistas

Dennis Sinned, de 38 anos, foi agredido na calçada de um bar em Pinheiros, na Zona Oeste de SP - Reprodução/Facebook
Dennis Sinned, de 38 anos, foi agredido na calçada de um bar em Pinheiros, na Zona Oeste de SP Imagem: Reprodução/Facebook

Heloísa Barrense

Do UOL, em São Paulo

24/11/2021 19h13Atualizada em 25/11/2021 08h38

O músico Dennis Sinned, de 38 anos, foi agredido minutos após fazer a passagem de som em um bar conhecido por ter frequentadores antifascistas, em Pinheiros, Zona Oeste de São Paulo. Segundo o vocalista e guitarrista da banda Dennis e o Cão da meia-noite, um grupo de cerca de dez pessoas, que ele acredita serem neonazistas, chegou em um carro, por volta das 20h do último sábado (20), em um momento que o bar tinha acabado de abrir. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

"A gente tinha acabado de passar o som e descer para a calçada. Foi tudo muito rápido. O evento não tinha começado. O bar já estava aberto, eles sabiam que ainda era o começo. Eles chegaram já batendo. Eu fiquei de 4 a 5 minutos tomando chute", contou Dennis ao UOL. Segundo o músico, os agressores utilizavam balaclava, uma espécie de gorro em que apenas os olhos ficam visíveis, além de tênis de marca.

"Alguém pulou na minha frente e rasgou minha camisa. Eu estava com camisa vermelha, não tinha simbolo, nem nome de nada. Eu tomei um golpe e caí no chão. Eu levantei uma vez e me derrubaram de novo. Na terceira vez, eu consegui entrar no bar", relembra.

Dennis conta que um amigo que bebia cerveja ao lado também foi atacado e levou um chute no rosto por um homem alto, igualmente mascarado. Ele levou chutes na cabeça e no tórax e foi encaminhado para o Pronto-Socorro do Hospital da Lapa, onde tomou 6 pontos na cabeça e 3 na nuca. "Todos falavam em português e diziam insistentemente para chutar a minha cabeça", diz, negando relatos de que os autores seriam estrangeiros.

O amigo, cuja identidade não foi revelada, ainda levou garrafadas. Segundo Dennis, ele teve escoriações mais leves e conseguiu correr para dentro do bar com as outras pessoas que os acompanhavam.

De acordo com o músico, o bar havia sido pichado com uma suástica semanas antes. Ele acredita que os autores sejam de grupos neonazistas. "São pessoas que conhecem a movimentação do bar. Ele já estava sendo observado. Não acho que foi direcionado a mim, mas qualquer pessoa que estivesse lá poderia ser atacada", defende.

O episódio foi revelado em reportagem da Ponte Jornalismo nesta semana. Após a agressão, Dennis afirma que recebeu uma ameaça - mas acredita que ela não possua intenções verdadeiras. "Diziam justamente para eu não procurar os meios legais", conta. "Eu não faço parte de nenhum grupo, eu estava lá apenas pela música".

Ao UOL, a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo) informou que o caso foi registrado pelo 14º DP como lesão corporal. "Policiais militares faziam patrulhamento pela região, quando foram acionados para atender uma ocorrência de agressão. No local, em frente a um bar, a vítima estava sendo socorrida pelo Resgate", diz nota, que acrescenta que o episódio está sendo investigado.

Procurados, os representantes do bar informaram que não deverão se pronunciar no momento, mas que estão "tomando todas as medidas cabíveis e apoiando as vítimas".

Cotidiano