PUBLICIDADE
Topo

Crivella terá de dar direito de resposta ao PSOL por fake news de pedofilia

Justiça Eleitoral determina que Marcelo Crivella publique em sua conta no Facebook direito de resposta ao PSOL após falsas acusações de pedofilia  - SAULO ANGELO/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Justiça Eleitoral determina que Marcelo Crivella publique em sua conta no Facebook direito de resposta ao PSOL após falsas acusações de pedofilia Imagem: SAULO ANGELO/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Douglas Porto

Do UOL, em São Paulo

27/11/2020 18h41Atualizada em 27/11/2020 21h04

A Justiça Eleitoral do Rio de Janeiro determinou que o candidato à reeleição a prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), publique em sua conta no Facebook direito de resposta ao PSOL após proferir notícia falsa contra o partido.

Em vídeo ao lado do deputado federal Otoni de Paula (PSC), Crivella afirmou que o PSOL assumiria a Secretaria Municipal de Educação em um eventual governo de Eduardo Paes (DEM), seu adversário no 2º turno, e pregaria a pedofilia nas escolas.

Crivella tem 12 horas, a partir da oficialização da condenação, para publicar a resposta do PSOL. O candidato também terá de retirar do ar o vídeo em que profere as ofensas contra o partido, sob multa diária de R$ 10 mil caso não cumpra a decisão. Até o momento, as acusações ao partido não foram excluídas.

"O vídeo publicado nas redes sociais causa desinformação e veicula ao público notícia sabidamente inverídica, tentando incutir na mente do eleitor tal informação de pedofilia nas escolas com assunção do PSOL", explica a sentença.

"Por fim, sustenta que a alegação de que o requerido imputa ao candidato Eduardo Paes que esse institucionalizaria a pedofilia nas escolas é manobra que tira de contexto as falas do candidato Crivella e que os dois pastores estão a conversar sobre ideologia de gênero", conclui a decisão.

O UOL entrou em contato com a assessoria de imprensa de Crivella e com o PSOL. Porém, até o momento, não obteve resposta.

PRE denuncia Crivella e vice por difamação e propaganda falsa em campanha

A PRE (Procuradoria Regional Eleitoral) denunciou Crivella e sua candidata a vice Andrea Firmo, ambos do Republicanos, por difamação e propaganda falsa. A campanha é acusada de atribuir a Paes fatos ofensivos à sua reputação (difamação eleitoral) e fatos que sabem inverídicos para influenciar o eleitorado (propaganda falsa).

A acusação foi apresentada incialmente para apurar se o atual prefeito cometeu crime contra a honra contra a candidata Renata Souza (PSOL) durante debate no primeiro turno. Segundo a PRE, Crivella frisou que as falas do atual prefeito sobre 'kit gay' e 'liberação de drogas' são notícias falsas.