Coreia do Sul pede suspensão da Coreia do Norte da ONU por morte de Kim Jong-nam

De São Paulo*

  • Shizuo Kambayashi/AP Photo

    Kim Jong-nam foi morto na Malásia; suspeitas recabem sobre o irmão, líder da Coreia do Norte

    Kim Jong-nam foi morto na Malásia; suspeitas recabem sobre o irmão, líder da Coreia do Norte

A Coreia do Sul pediu nesta terça-feira (28) "medidas coletivas" de punição à Coreia do Norte pelo assassinato de Kim Jong-nam, meio-irmão do líder do país vizinho. Entre as sanções, os sul-coreanos pedem a suspensão dos vizinhos do norte da ONU (Organização das Nações Unidas).

Kim Jong-nam morreu no último dia 13 de fevereiro minutos depois de ser atacado por duas mulheres com uma arma química proibida internacionalmente, identificada como VX, no aeroporto de Kuala Lumpur, capital da Malásia.

As suspeitas, a vietnamita Doan Thi Huong e a indonésia Siti Ashyah, foram detidas pouco depois, junto com um químico norte-coreano e outro malaio, que já foi colocado em liberdade. As duas mulheres serão indiciadas pela morte, segundo anunciou nesta terça a promotoria da Malásia. A polícia do país acredita que quatro norte-coreanos teriam supostamente recrutado as mulheres para cometer o assassinato e fugiram para Pyongyang, capital da Coreia do Norte, no mesmo dia do crime.

Polícia Real da Malásia/AFP
A vietnamita Doan Thi Huong (esq.) e a indonésia Siti Ashyah serão indiciadas pela morte de Kim Jong-nam

Kim Jong-nam, irmão mais velho, tinha preferência sobre Kim Jong-un na linha sucessória pelo comando da Coreia do Norte. Eles têm o mesmo pai, o ex-líder Kim Jong II, morto em 2011. Kim Jong-nam vive fora da Coreia do Norte desde 2001.

Em discurso na Conferência de Desarmamento organizada pela ONU em Genebra (Suíça) nesta terça, o ministro das Relações Exteriores sul-coreano, Yun Byung-se, disse que o uso de armas químicas foi um "toque de despertar" e que a comunidade internacional deveria agir --inclusive com a possível suspensão da isolada Coreia do Norte da ONU. O país é membro da organização desde setembro de 1991.

O governo de Pyongyang vem rejeitando as alegações sobre seu envolvimento na morte de Kim Jong-nam, mas autoridades de Seul e dos Estados Unidos acreditam que ele foi vítima de um assassinato orquestrado pelo regime.

"Muitos veículos de mídia internacionais ressaltaram que o uso de armas químicas por parte da Coreia do Norte para um assassinato planejado em um terceiro país envia uma mensagem muito clara ao mundo", disse Yun no fórum de Genebra.

KCNA/ AFP
O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un

Liberação do corpo

Também nesta terça, uma delegação da Coreia do Norte chegou à Malásia para reivindicar o corpo de Kim Jong-nam. Sem citar o nome da vítima, a delegação manifestou que tem vários assuntos para tratar com as autoridades malaias, entre eles a custódia do corpo do "cidadão norte-coreano" morto em 13 de fevereiro no aeroporto de Kuala Lumpur.

"Discutiremos também a libertação de outro cidadão (norte-coreano), que foi detido pela polícia malaia em relação com o incidente", declarou o chefe da delegação, Ri Tong-il, ex-embaixador da Coreia do Norte na ONU.

"Também discutiremos o desenvolvimento das relações amistosas entre a Coreia do Norte e o governo malaio", disse Ri, que leu um comunicado na entrada da Embaixada da Coreia do Norte na capital malaia, segundo o jornal local "The Star".

*Com informações das agências Reuters e EFE, em Genebra (Suíça), Kuala Lumpur (Malásia) e Bangcoc (Tailândia)

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos