Programa na Alemanha promete tratamento, em vez de punição, a pedófilos

André Cabette Fábio

Colaboração para o UOL, em Berlim

  • Divulgação

    4.mai.2017 - Folheto de programa de tratamento a pedófilos na Alemanha pergunta: "você ama mais às crianças do que gostaria?"

    4.mai.2017 - Folheto de programa de tratamento a pedófilos na Alemanha pergunta: "você ama mais às crianças do que gostaria?"

A Alemanha emprega e prevê ampliar o financiamento a um programa que oferece uma abordagem diferenciada do problema da violência sexual infantil, oferecendo tratamento psicológico para pedófilos. Iniciado no hospital Charité, na capital alemã, em 2005, ele se chama "Kein Täter Werden" ou "Não se Torne um Criminoso".

Atualmente, a Organização Mundial de Saúde classifica a pedofilia como um transtorno de preferência sexualOs organizadores do programa alemão partem do princípio de que não há cura comprovada para a doença, e por isso buscam ajudar os pedófilos a controlarem seus desejos para que não abusem sexualmente de uma criança ou consumam pornografia infantil.

Eles afirmam que, dessa forma, não só evitam casos de abuso como diminuem o sofrimento de pedófilos, que compõem cerca de 1% da população masculina.

Iniciado em Berlim, hoje o programa está presente em 12 cidades - apesar das críticas de vítimas da violência sexual infantil, para quem os agressores devem ser, antes de tudo, punidos.

Entre 2011, quando a rede nacional de pontos de atendimento foi criada, até o final de março de 2017, mais de 7.000 pessoas haviam entrado em contato. Dessas, 740 efetivamente se submeteram a tratamento. A imensa maioria delas, homens.

Em entrevista concedida ao UOL, o psicólogo Christoph Ahlers, autor do livro "Céu na Terra e Inferno na Cabeça: O que a Sexualidade Significa Para Nós" (em uma tradução livre, não lançado no Brasil) e um dos fundadores do projeto, afirma que, assim como existe a heterofilia, que é a atração por pessoas de sexos diferentes, e a homofilia, que é a atração por pessoas do mesmo sexo, existe a pedofilia.

O problema é que, ao contrário de homófilos e heterófilos, não é possível que os pedófilos exerçam a sua sexualidade. "Uma criança não pode concordar em interagir sexualmente com um adulto, porque, devido à sua maturidade psicológica, não possui a habilidade de realizar esse tipo de consentimento", afirma.

Ele diz que um dos êxitos do programa foi conscientizar a sociedade alemã de que pedofilia e abuso sexual de crianças são duas coisas distintas.

"A inclinação sexual não é o fator mais importante para definir se eu realizo um ato sexual ilegal, mas a personalidade", disse.

Para ele, "a sociedade poderia se desenvolver para entender que há gente que se sente atraída por crianças, e, contanto que nada aconteça a partir disso, está tudo bem".

Entre as técnicas de terapia utilizadas no projeto estão escrever cartas sob a perspectiva de crianças e pensar como se sentiriam se chegasse alguém mais velho e os tocasse.

E planejar estratégias para lidar com a chegada de alguma criança em um contexto perigoso - como ir embora imediatamente ou ligar para alguém de confiança. O programa também oferece, a quem desejar, remédios para diminuir o impulso sexual.

Mas, mesmo se todos os pedófilos obtivessem ajuda, isso não significaria que o abuso sexual seria completamente evitado.

Segundo Ahlers, a maioria dos abusadores sexuais de crianças podem não ser considerados pedófilos.

Isso porque são adultos com outras preferências sexuais. Eles abusam de crianças não por uma atração particularmente grande, mas por se aproveitarem de alguma fragilidade que não encontram entre outros adultos. Por isso, são chamados de "abusadores por substituição".

Críticas ao método

A iniciativa convoca os pedófilos a buscar tratamento com anúncios na TV e na internet em que pergunta "você ama mais às crianças do que gostaria?".

A estratégia é, no entanto, alvo de críticas. Em entrevista ao UOL, Norbert Denef, e preside a rede NetzwerkB de vítimas de violência sexual, avalia que é um erro comparar pedofilia a amor e a heterofilia e homofilia.

Ele foi abusado por um padre e um organista católicos quando criança e afirma que "é preciso dizer a eles [pedófilos] de forma bem clara de que não se trata de amor, mas de um crime extremamente violento e isso apodrece o seu caráter".

Para Denef, se um pedófilo compreende que seus desejos por criança se tratam de violência, pode ser capaz de alterá-los. Para isso, precisaria analisar a própria história, buscar eventos traumáticos e compreender o que o teria levado a se tornar um pedófilo.

Apesar desse tipo de resistência, o programa tem ganhado impulso. No final de 2016, o governo alemão anunciou que planeja financiar o projeto com verba do seguro de saúde obrigatório do país já a partir de 2018.

Até o final de 2016, o financiamento fora de 1,4 milhões de euros. A partir de 2018, a verba deverá ser ampliada para 5 milhões de euros por ano, por no mínimo cinco anos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos