PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Mulher seduz assassino do namorado no Facebook e ajuda polícia a prendê-lo

Reprodução/TV Caracol
Imagem: Reprodução/TV Caracol

Colaboração para o UOL

02/08/2017 15h33

Uma mulher seduziu o assassino do seu namorado e conseguiu fazê-lo confessar o seu crime. De quebra, o fato ajudou a Polícia a prendê-lo na Colômbia.

Segundo a rede de TV colombiana Caracol, o namorado da mulher recebeu quatro tiros em 22 de fevereiro, em Bogotá. Ela sobreviveu ao tiroteio e decidiu buscar o assassino. E o fez via Facebook.

"Não queria que houvesse mais uma vez impunidade, como em muitos casos que acontecem neste país", disse ela, que não quis ter nem o nome nem o rosto identificados pela reportagem.

O assassino foi identificado como Robinson Gutierrez, de 20 anos. Eles começaram uma relação virtual, por causa da justificativa dela que estava em prisão domiciliar por ter cometido um crime.

Robinson Gutierrez foi iludido por mulher no Facebook e acabou preso por assassinato - Reprodução/Facebook - Reprodução/Facebook
Robinson Gutierrez foi iludido por mulher no Facebook e acabou preso por assassinato
Imagem: Reprodução/Facebook

Ela enviou "fotos pessoais" do seu corpo com o rosto de outra mulher - com o objetivo de seduzir o assassino.

Durante o romance virtual, o assassino confessou por áudio que na noite do crime "queria matar outra pessoa". Ele cometeu o crime por ter acreditado que foi visto (pela vítima), e atirou na casa para que não houvesse testemunha do homicídio que ele planejava cometer.

Além disso, Gutierrez também revelou outros crime que cometeu e disse que trabalhava para uma organização criminosa. O 'trabalho' da mulher ajudou a polícia local a capturar o assassino junto com outras 13 pessoas acusadas de integrar um bando dedicado a furto e homicídio, entre outros delitos.

"Espero que a Justiça deste país não seja tão transigente como em outros casos, e que ele não fique três a cinco anos e volte a cometer este crime", disse à Caracol a mulher, que agora viverá em outra cidade com proteção policial.

Internacional