Não é o momento de buscar culpados pelo submarino desaparecido, diz Macri

Do UOL, em São Paulo

  • Presidência Argentina via AP

O presidente argentino, Mauricio Macri, afirmou nesta sexta-feira (24) que este não é o momento de buscar culpados pelo desaparecimento do submarino da Armada argentina. Em sua primeira declaração pública desde o último sinal do submarino, há nove dias, Macri disse ainda que os trabalhos de busca realizados pelo país e por toda a comunidade internacional serão mantidos.

"O desaparecimento e atual busca do submarino comoveu a todos", afirmou Macri, após uma reunião com o ministro da Defesa, Oscar Agua, e os chefes de Estado do Conjunto Maior. "Até que tenhamos a informação completa, não temos que nos aventurar a buscar culpados, responsáveis. Primeiro é preciso ter certeza sobre o que aconteceu e o motivo pelo qual aconteceu", disse. "Isto vai requerer uma investigação séria, profunda, que nos revele certezas sobre o que aconteceu e o que estamos presenciando", disse. 'Meu compromisso é com a verdade".

"Segundo o presidente, é preciso entender "como um submarino, que passou pela reparação de meia vida e estava em perfeitas condições para navegar, sofreu aparentemente uma explosão". "Faço um reconhecimento especial dos 44 tripulantes por seu patriotismo, heroísmo e valentia, como todas as Forças Armadas que cumprem uma função central na vida deste país", acrescentou. "Este é um momento difícil para todos, em especial para os familiares".

"Meu primeiro pedido é para que passemos este momento e os próximos dias com o máximo de respeito pela dor que foi causada, especialmente a dos familiares", pediu Macri.

Buscas no 9º dia

Barcos e aviões patrulharam nesta sexta-feira a zona de uma explosão no Atlântico Sul onde pode ter desaparecido o submarino argentino "ARA San Juan", mas não há mais esperanças de achar seus 44 tripulantes com vida.

"Temos que encontrar o submarino no fundo do mar. A zona é grande, o meio é hostil e a busca é muito difícil", afirmou o porta-voz naval, capitão de navio Enrique Bibal, ao dar o primeiro boletim diário.



A Armada anunciou na quinta-feira o registro de um ruído violento e repentino compatível com uma explosão no Atlântico, horas depois do último contato do "ARA San Juan" com a base em 15 de novembro. O relatório coincide com a informação recebida dos Estados Unidos na quarta-feira a respeito de uma "anomalia hidroacústica detectada na quarta-feira, 15 de novembro, às 10h31" (11h31 de Brasília)", cerca de três horas após a última comunicação do ARA San Juan" com sua base.

A confirmação da explosão também coincide com as hipóteses levantadas de que o submarino sofreu um acidente repentino logo após sua última comunicação, quando avisou a base sobre uma avaria nas baterias.

Uma explosão repentina em imersão poderia explicar a ausência de sinais de emergência, como liberar balsas, ou radiobalizas para ajudar no resgate, como indicam os procedimentos navais habituais.

A notícia causou revolta aos parentes dos tripulantes e a sensação de que a embarcação agora não passa de um túmulo no fundo do mar. "Quero dizer ao almirante (Marcelo Srur, chefe naval) que ele não está em condições de ter uma força sob seu comando, que deve ir embora, e ao presidente (Mauricio Macri) que ponha ordem nisso", reclamou María Rosa Belcastro, parente de um tripulante falando à imprensa em Mar del Plata (400 km ao sul da capital), a cuja base naval a embarcação deveria ter chegado na segunda-feira.

O Ministério da Defesa não se pronunciou, mas fontes citadas pela imprensa local falam que vão rolar cabeças nos altos comandos da Armada, a Marinha de Guerra argentina.

Veja os detalhes do ARA San Juan, o submarino argentino desaparecido

Tristeza

Pais, mães, filhos e irmão protagonizaram na véspera cenas comoventes ante a notícia da explosão. A maioria se negou a falar com os jornalistas e deixou discretamente a base naval para chorar seus entes queridos na intimidade. Mas muitos parentes não ocultavam sua revolta ante o que consideraram uma informação de que todos os tripulantes estariam mortos.

A versão oficial da Armada diz textualmente: "Tratou-se de um evento anômalo, singular, curto e não nuclear consistente com uma explosão. Está faltando saber onde está o submarino e a que profundidade".

As buscas se intensificaram nesta zona com navios oceanográficos com sondas de varredura e aviões com detectores magnéticos.

Cerca de 4.000 efetivos procuram o "ARA San Juan" em navios e aviões da Argentina, Alemanha, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Espanha, Estados Unidos, França, Noruega, Peru, Reino Unido e Uruguai. (Com agências internacionais)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos