Topo

Avião cai pouco depois da decolagem em Havana, Cuba; mais de cem morrem

Do UOL, em São Paulo

18/05/2018 14h16Atualizada em 19/05/2018 19h26

Um avião da companhia aérea Cubana, um Boeing 737, com quase 40 anos de uso, caiu momentos depois da decolagem no Aeroporto Internacional José Martí, em Havana, no começo da tarde desta sexta-feira (18). Ao chegar ao local de acidente, o presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, havia falado em 113 pessoas a bordo da aeronave. Com exceção de três mulheres resgatadas com vida, em estado crítico, todos morreram, diz o jornal Granma. 

Ainda não foi divulgada uma lista de pessoas no voo, mas o periódico estatal informou no início da noite que a maioria era cubana - inicialmente, havia informação de que os passageiros seriam todos estrangeiros. O Ministério das Relações Exteriores da Argentina confirmou haver dois argentinos entre as vítimas fatais do voo - um homem e uma mulher idosos, de férias na ilha. Consultado pelo UOL, o Itamaraty respondeu ainda não ter confirmação sobre possíveis brasileiros vitimados.

Ainda segundo o Granma, entre os mortos havia quatro crianças, sendo um bebê de dois anos. A tripulação, por sua vez, era formada por seis mexicanos, todos mortos. 

A embaixada do México em Cuba ativou um protocolo de emergência para atender aos mexicanos em busca de mais informações sobre o acidente. Familiares chegaram durante todo o dia ao local do acidente, com o auxílio do governo cubano, que concedeu ônibus e avião para o translado.

No final da noite, Raúl Castro, que atualmente ocupa o cargo de primeiro secretário do comitê central do PCC (Partido Comunista de Cuba), transmitiu suas condolências aos familiares das vítimas. Castro atualmente se recupera de uma cirurgia de hérnia. 

Cuba está de luto oficial a partir das 6h da manhã de sábado (19), até à meia-noite de domingo (20), decretou o Conselho de Estado da República. 

Veja também:

O acidente

A aeronave seguia para Holguín, no leste do país. A cidade é a quarta mais populosa de Cuba, com cerca de 300 mil habitantes. Nos últimos anos, a cidade também vem se firmando como destino turístico para estrangeiros.

O avião era alugado de uma empresa mexicana pela companhia aérea estatal cubana. O voo, identificado como DMJ 0972, teria cerca de uma hora de duração. 

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL
A queda ocorreu às 12h08, hora de Cuba, 13h08 no horário de Brasília. 

A Radio Habana Cuba informou que o avião caiu sobre uma estrada que liga Havana a Boyeros, próxima do aeroporto.

Testemunhas nos arredores relataram fumaça espessa na região do aeroporto. Jornalistas da agência de notícias AFP que estavam a cerca de 100 m do local do acidente afirmam que a aeronave está destruída e em chamas. Segundo os repórteres, ela teria caído sobre uma área agrícola nos arredores do aeroporto.

O presidente da Corporação de Aviação de Cuba, Roberto Peña, anunciou que foram abertas as investigações para determinar a causa do acidente, segundo a Prensa Latina.

As sobreviventes

Até a noite desta sexta, apenas uma das mulheres levadas com vida para o hospital foi identificada. Trata-se de Emiley Sánchez de la O, de 39 anos e moradora de Holguín. Ela teve fraturas bilaterais na tíbia e perônio, além de queimaduras em 30% do corpo e traumatismo cranioencefálico. Ela foi entubada. 

As outras duas sobreviventes ainda não foram identificadas, mas segundo descrição do Granma, uma tem entre 18 e 25 anos de idade e a outra, cerca de 30.

Prova de fogo para o novo presidente

O presidente Díaz-Canel assumiu o poder há meros 30 dias, sendo o primeiro presidente civil após a Revolução Cubana, em 1959. 

Nesta tarde, do local do acidente, ele ofereceu condolências às famílias das vítimas. "Em nome do governo cubano e do partido, lamentamos o ocorrido e nos juntamos à dor das famílias", disse. As principais autoridades de Cuba se encontram no local. 

Líderes de outros países enviam mensagens

Vários líderes de outros países e personalidades se manifestaram sobre o acidente. 

"Nossas condolências aos familiares das vítimas do acidente aéreo fatal que aconteceu hoje em Havana. Força e paz a eles neste momento de dor. Tenham todo nosso apoio", escreveu o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, no Twitter. 

"México expressa suas mais sinceras condolências ao povo e ao governo de Cuba", escreveu o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, também no Twitter. "Nossa solidariedade com os familiares de todas as vítimas que lamentavelmente perderam a vida." 

Na mesma rede social, o primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, escreveu em inglês e francês: "Palavras sempre faltam em horas como essa, mas a todos que perderam um amigo, uma pessoa amada ou um familiar no acidente de hoje em Cuba: saibam que mantemos vocês em nossos pensamentos e corações."

O rei da Espanha, Felipe 6º, enviou uma mensagem a Díaz-Canel expressando seu "mais profundo pesar" e sua solidariedade ao "querido povo cubano". 

Vladimir Putin, o mandatário russo, enviou um telegrama ao líder cubano. Além de expressar apoio às famílias das vítimas, Putin também desejou uma recuperação rápida aos sobreviventes da catástrofe. 

O último acidente aéreo de Cuba aconteceu em abril de 2017, quando um avião AN-26, das Forças Armadas Revolucionárias, caiu em Loma de la Pimienta, no município de Cande.