Topo

Empresário é preso por suspeita de golpe milionário da cidadania italiana

Empresário é preso suspeito de golpe da cidadania italiana - Divulgação/Polícia Civil RS
Empresário é preso suspeito de golpe da cidadania italiana Imagem: Divulgação/Polícia Civil RS

Hygino Vasconcellos

Colaboração para o UOL, de Porto Alegre

18/09/2019 14h11

Um empresário de 39 anos foi preso suspeito de aplicar golpes para obtenção de cidadania italiana. O homem, que não teve o nome divulgado, foi preso na tarde de ontem em Piracicaba, no interior de São Paulo. Segundo a polícia, ele foi interceptado prestes a deixar o país, já que tinha viagem marcada amanhã para Milão, na Itália.

A investigação apontou que mais de 50 pessoas foram lesadas por ele. Cada uma delas teria pago em média R$ 30 mil para o empresário - normalmente em euros. Com isso, ele pode ter lucrado mais de R$ 1,5 milhão com o golpe. De acordo com o delegado Joel Wagner, que coordenou a investigação, as vítimas são moradores de quatro estados (Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais e São Paulo) e até da Nova Zelândia.

A apuração policial, iniciada em fevereiro de 2019, revelou que o empresário estava descumprido os contratos há dois anos. As vítimas o procuravam para facilitar os trâmites para conseguir a cidadania morando na Itália por um período de 45 a 90 dias. O processo costuma ser mais rápido em relação à obtenção da cidadania pelo Consulado da Itália, que pode levar alguns anos.

Documentos apreendidos com empresário suspeito de dar golpe da cidadania italiana - Divulgação/Polícia Civil RS
Documentos apreendidos com empresário suspeito de dar golpe da cidadania italiana
Imagem: Divulgação/Polícia Civil RS
Segundo a polícia, o serviço oferecido pelo empresário incluía o acompanhamento para a obtenção dos documentos - declarações e certidões de nascimento, de casamento e de óbito de ascendentes italianos, apostilamento, traduções, passagens aéreas, translado e hospedagem na Itália. Entretanto, em muitos casos o empresário não adquiria as passagens, impedindo a viagem para a Europa. Já quem teve os bilhetes comprados por ele, só se dava conta de que havia caído em um golpe ao chegar à Itália e não encontrar reserva nas hospedagens.

A polícia também apreendeu uma caminhonete do empresário, documentos, passaportes, computadores e aparelhos celulares. Após ser levado para a delegacia, o suspeito foi conduzido para o Rio Grande do Sul, onde iniciaram as investigações, que contaram com o apoio da polícia paulista. O UOL tenta localizar a defesa do empresário, e a matéria será atualizada quando houver uma posição.

Número de vítimas pode ser maior

A polícia acredita que o número de vítimas pode ser ainda maior, já que ele agiu em diferentes estados do pais. A orientação para quem tenha sofrido o golpe é entrar em contato com a Delegacia do Consumidor do Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC) por meio do telefone 0800-510-2828, ou ir até a sede da delegacia na Avenida das Indústrias, 915, Bairro São João, Porto Alegre. A terceira opção é procurar qualquer órgão policial próximo para registrar a ocorrência.

Mudanças para obter a cidadania

Em dezembro de 2018, um decreto dificultou a obtenção da cidadania italiana. Entre as mudanças está a exigência de proficiência na língua antes do encaminhamento da documentação. O candidato a naturalização precisará atingir, no mínimo, o nível B1 — o que equivale ao intermediário — para que o processo seja finalizado. A mudança afetou aqueles que tentam a cidadania no país europeu quanto quem está no Brasil.

A exigência da proficiência vale apenas para aquelas pessoas que não apresentam em sua linhagem sanguínea nenhum parentesco com italianos — ou seja, os que buscam a naturalização por meio de matrimônio ou aqueles que optam pelo tempo de residência na Itália.

Além da proficiência, o decreto trouxe outras duas novidades: aumento da taxa cobrada pelo governo italiano para executar a naturalização pelo casamento, de 200 euros para 250 euros; e prazo maior para o estado finalizar o processo, de dois anos passou para quatro anos.

Mais Internacional