PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Tesouro achado na Dinamarca pode ter sido enterrado por medo de vulcão

Bracteate com a imagem de um homem, um cavalo e runas - Reprodução / Conservation Center Vejle
Bracteate com a imagem de um homem, um cavalo e runas Imagem: Reprodução / Conservation Center Vejle

Colaboração para o UOL

22/09/2021 08h43Atualizada em 22/09/2021 08h43

Um caçador de tesouros encontrou o que foi definido pelo Museu de Vejle, na Dinamarca, como um dos "maiores, mais ricos e mais belos tesouros de ouro da história dinamarquesa". A descoberta foi feita pelo caçador novato Ole Ginnerup Schytz, nas terras pertencentes a um de seus colegas, morador da cidade dinamarquesa de Vindelev. Segundo os pesquisadores responsáveis pelo achado, as riquezas podem ter sido enterradas por medo de uma nova erupção de um vulcão.

Com colaboração do Museu Nacional da Dinamarca, arqueólogos do Museu de Vejle encontraram 1 kg de ouro no local. Dentre os artefatos, os especialistas identificaram joias luxuosas, moedas romanas, medalhões e um objeto que possivelmente representa um deus nórdico, mais especificamente Odin.

Conforme as autoridades, o tesouro datado de 1.500 anos atrás, pode ter sido enterrado por um chefe da Idade do Ferro, em meados do século 6, na região que hoje corresponde ao território da Dinamarca.

Os pesquisadores acreditam que a pessoa que enterrou o tesouro tenha feito isso após uma erupção vulcânica que assolou a Europa em meados de 536 d.C. Nos anos seguintes, diversas outras pessoas também teriam enterrado seus bens, para preservá-los.

Vila rica

Para os especialistas, tal descoberta revela que possivelmente Vindelev já foi uma vila rica e poderosa durante o período que corresponde à Idade do Ferro.

ouro - Crédito: Reprodução/VejleMuseeerne - Crédito: Reprodução/VejleMuseeerne
As peças de ouro, incluindo medalhões do tamanho de um pires, permaneceram enterrados por 1.500 anos
Imagem: Crédito: Reprodução/VejleMuseeerne

"Apenas um membro da nata absoluta da sociedade teria sido capaz de coletar um tesouro como o encontrado aqui", revelou Mads Ravn, responsável pela pesquisa do Museu Vejle.

Acredita-se que a pessoa que tenha enterrado o tesouro tenha atraído artesãos para a região, muito antes dos primeiros monarcas governarem o território.

"Não havia nada que indicasse que um chefe guerreiro ou chefe até então desconhecido vivia aqui [em Vindelev], muito antes do reino da Dinamarca surgir nos séculos seguintes", informou Ravn em um comunicado oficial.

Dentre as relíquias, os pesquisadores encontraram moedas romanas feitas a partir de uma técnica desconhecida até então. Conforme os pesquisadores, as moedas chamadas de bracteates podem fazer uma clara referência à mitologia nórdica. Em uma delas, por exemplo, há a figura de um homem com cabelo trançado rodeado por um cavalo, um pássaro e outro indivíduo.

Além disso, o artefato possui runas que indicam a palavra: "o alto". Para os especialistas, isso pode indicar que quem esculpiu a moeda tenha se referido ao homem que enterrou o tesouro. Por outro lado, os arqueólogos acreditam que pode ser, ainda, uma menção a Odin, uma vez que a mitologia nórdica usava este termo para se referir a este deus.

Com colaboração do Museu Moesgaard da Dinamarca, o tesouro de Vindelev está previsto para ser exibido a partir de 3 de fevereiro de 2022, na exposição Vejle Museums 'Viking.

Internacional