PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
15 dias

'Não se vacine': Campanha ousada de funerária divide opiniões

Apesar de polêmica, campanha tem o objetivo de conscientizar para a imunização - Reprodução/Twitter
Apesar de polêmica, campanha tem o objetivo de conscientizar para a imunização Imagem: Reprodução/Twitter

Colaboração para o UOL

21/09/2021 14h17Atualizada em 21/09/2021 14h18

Os moradores de Charlotte, na Carolina do Norte (EUA), foram surpreendidos por um caminhão de uma casa funerária que circulou pelas ruas da cidade norte-americana, no domingo (19), com uma mensagem classificada por muitos como de mau gosto. A traseira e a lateral do baú diziam: "Não se vacine".

As fotos chamaram atenção nas redes sociais e dividiram opiniões, já que o que poderia ter um teor cômico pegou muito mal para outras pessoas.

Um dos motivos para a revolta é que nos Estados Unidos mais de 670 mil pessoas morreram devido à covid-19, o que coloca o país no topo da lista entre as nações. Outros também afirmavam que é uma falta de respeito "pois está zombando de pessoas que podem morrer de coronavírus".

Embora polêmico, o objetivo do anúncio assinado pela empresa Wilmore não foi o de desencorajar a população a recusar os imunizantes disponíveis. Pelo contrário.

Em uma pesquisa rápida na internet, os usuários descobriram que o site da empresa, um centro privado de saúde, tem o objetivo de conscientizar sobre a importância da vacinação. Ao acessar a página, com fundo preto, os visitantes ainda se deparavam com a mensagem: "Vá se vacinar agora. Do contrário, nos vemos em breve".

Além disso, ao clicarem em um botão do site, os usuários eram direcionados para outro ambiente com informações sobre as três vacinas aprovadas nos EUA para a covid-19. ''Uma vacina obtém a aprovação do governo somente depois de se provar que é segura e eficaz", diz um trecho do site.

Em ensaios clínicos, as vacinas Pfizer e Moderna mostraram ser mais de 94% eficazes e a Johnson & Johnson, mais de 66%.

Coronavírus