Governo do Peru classifica transexualidade como doença mental

O governo do Peru passou a classificar a transexualidade e transtornos de identidade de gênero como doenças mentais.

O que aconteceu

Documento lista transexualidade, travestismo e transtorno de gênero na infância como enfermidades. O decreto atualiza as regras do Peas (Plano de Seguro de Saúde Essencial), que orienta planos de saúde sobre tratamentos a serem oferecidos na rede pública e privada.

Ministério da Saúde se baseou em uma versão antiga do CID (Classificação Internacional de Doenças) da OMS, que considerava a transexualidade uma doença mental Em 2022, o texto foi atualizado e passou a tratar a transexualidade como "condição relativa à saúde sexual" para incentivar políticas públicas de saúde.

Grupos LGBTQIA+ dizem que o texto abre espaço para incentivar as chamadas "terapias de reorientação sexual" e exigiu mudanças. "A lei em si está desatualizada e deixa a porta aberta para terapias de conversão, bem como para o uso de hormônios para corrigir a homossexualidade, terapias que são consideradas tortura de acordo com o direito internacional", afirmou Jorge Apolaya, porta-voz do Coletivo Marcha do Orgulho de Lima, ao jornal El Comercio.

Governo peruano diz que decreto "garante que a cobertura do atendimento de saúde mental seja completa". "O Minsa reafirma categoricamente seu respeito pela dignidade do indivíduo e sua liberdade de ação no âmbito dos direitos humanos, prestando serviços de saúde em seu benefício".

Pesquisador critica texto e diz que governo tenta mostrar "boas intenções". "A população trans não tem acesso aos serviços de saúde porque tem problemas com o Documento Nacional de Identidade. Em teoria, é uma forma de mostrar 'boas intenções' em fornecer o acesso. O problema é que eles usam o CID-10, que está dizendo que eles estão doentes. Então, a comunidade LGTBI, a população trans, se opõe e diz: 'Como você quer que eu me aproxime do serviço de saúde se eles já estão me dizendo que estou doente por ser trans?'", afirmou Percy Mayta ao site Perú 21.

Deixe seu comentário

Só para assinantes