Como Trump faliu seus cassinos, mas mesmo assim ganhou milhões

Russ Buettner e Charles V. Bagli

Em Atlantic City, Nova Jersey (EUA)

  • Mark Makela/The New York Times

    2.jun.2016 - Turistas observam pela janela o antigo cassino Trump Plaza, hoje fechado

    2.jun.2016 - Turistas observam pela janela o antigo cassino Trump Plaza, hoje fechado

O Trump Plaza Casino and Hotel está fechado, seus vidros manchados pelo efeito da maresia. Apenas um leve contorno das letras douradas soletrando T-R-U-M-P permanece visível no lado externo daquele que já foi o principal cassino desta cidade. 

Não distante dali, o Trump Marina Hotel Casino, por muito tempo em dificuldades, foi vendido com grande prejuízo cinco anos atrás e agora é conhecido como Golden Nugget. 

Na quase deserta ponta leste do calçadão, o Trump Taj Mahal, agora sob nova direção, é tudo o que resta do império de cassinos que Trump montou aqui há mais de um quarto de século. Os anos de abandono são aparentes: os carpetes estão puídos e os candelabros sobre os poucos clientes jogando nas máquinas de caça-níqueis estão cobertos de poeira. 

Em sua campanha presidencial, Trump, o virtual candidato republicano, com frequência se gaba de seu sucesso em Atlantic City, de como foi mais esperto do que as firmas de Wall Street que financiaram seus cassinos e elevou o valor de seu nome às alturas. Um argumento central de sua candidatura é que levaria a mesma habilidade nos negócios ao Escritório Oval, fazendo pelo país o que fez por suas empresas. 

"Atlantic City alimentou grande parte do meu crescimento", Trump disse em uma entrevista em maio, resumindo seus 25 anos de história aqui. "O dinheiro que ganhei ali foi incrível." 

Sua personalidade audaciosa e suas propriedades opulentas chamaram atenção (e inúmeros jogadores) para Atlantic City, enquanto esta buscava superar Las Vegas como a capital dos jogos de azar do país.

Mas um exame atento pelo "New York Times" das análises regulatórias, autos processuais e declarações à comissão de valores mobiliários deixa poucas dúvidas de que as atividades de cassino de Trump foram um prolongado fracasso. Apesar de agora ele dizer que seus cassinos foram varridos pelo mesmo maremoto que abateu o setor de jogos de azar desta cidade litorânea, na verdade elas já estavam fracassando em Atlantic City muito antes da própria cidade começar a fracassar. 

Mas enquanto suas empresas iam mal, Trump se dava muito bem. Ele investiu pouco dinheiro próprio, transferiu dívidas pessoais para os cassinos e recebeu milhões de dólares em salários, bônus e outros pagamentos. O ônus de seus fracassos ficou para os investidores e outros que apostaram em sua habilidade nos negócios. 

Em três entrevistas para o "NY Times" desde o final de abril, Trump reconheceu em termos gerais que as dívidas elevadas e receitas insuficientes atormentaram seus cassinos. Ele disse não se lembrar de detalhes sobre algumas questões, mas não questionou as descobertas do "Times". Ele enfatizou repetidas vezes que o que realmente importava sobre seu tempo em Atlantic City foi que ele ganhou muito dinheiro ali. 

Análise: Ideias de Trump vão contra Constituição dos EUA

  •  

Trump montou seu império de cassinos tomando empréstimos a taxas de juros tão altas (após dizer aos reguladores que não o faria) que os negócios quase não tinham nenhuma chance de sucesso. 

Suas empresas de cassino fizeram quatro visitas ao tribunal de falências, a cada vez persuadindo os credores a aceitarem menos dinheiro em vez de ficarem sem nada. Mas as empresas acumulavam repetidamente mais dívida cara e voltavam ao tribunal para se proteger dos credores. 

Após escapar por pouco da ruína financeira no início dos anos 90, ao adiar o pagamento de suas dívidas, Trump evitou uma segunda crise potencial ao abrir o capital de seus cassinos e transferir os riscos aos acionistas. 

Mas nunca conseguiu atrair jogadores suficientes para cobrir todos os empréstimos. Durante uma década em que os outros cassinos prosperavam, os de Trump deixavam a desejar, apresentando prejuízos imensos ano após ano. Os credores e acionistas perderam mais de US$ 1,5 bilhão. 

Enquanto isso, Trump recebia quantias imensas para si mesmo, com a ajuda de um conselho diretor condescendente. Em um caso, como descobriu o "Times", Trump sacou mais de US$ 1 milhão de sua empresa de capital aberto em dificuldades, descrevendo a transação nas declarações à comissão de valores mobiliários de formas que podem ter sido ilegais, segundo peritos. 

Trump agora diz que saiu de Atlantic City na hora certa. Mas os registros mostram que ele lutou para manter seus cassinos mesmo anos após a cidade ter atingido seu pico, e só não conseguiu porque seus investidores não mais o queriam no papel de administrador. 

Há aqueles aqui que têm saudade da teatralidade de Trump, dos milhares que ele empregava em uma cidade em dificuldades e das dezenas de milhões de dólares em receita de impostos geradas por seus cassinos. 

"Ele foi uma ótima pessoa para a empresa", disse Scott C. Butera, presidente da empresa de Trump na época de sua falência, em 2004. "Com sua supervisão, sua marca e marketing, ele é muito hábil." 

Outros não. 

"Ele ajudou a expandir Atlantic City, mas não injetou nos projetos o capital que deveria para mantê-los solventes", disse H. Steven Norton, um consultor e executivo de cassinos da Resorts International. "Quando ele faliu, isso não custou apenas dinheiro aos credores, mas prejudicou muitas pequenas empresas que o ajudaram a construir o Taj Mahal." 

Beth Rosser, de West Chester, Pensilvânia, ainda está amarga com o que aconteceu com seu pai, cuja empresa, a Triad Building Specialties, quase faliu quando Trump levou o Taj ao tribunal de falências. Foram precisos quase três anos para receber o dinheiro devido pelo trabalho realizado pela empresa no cassino, ela disse, e seu pai recebeu apenas 30 centavos por cada dólar devido. 

"Trump chegou ao topo se apoiando nas costas de pessoas menores, e uma delas foi meu pai", disse Rosser, que dirige a Triad hoje. "Ele não deu a mínima para os milhares de homens e mulheres que trabalharam nesses projetos. Ele diz que tornará a América grande de novo, mas seu passado mostra o oposto disso." 

Apesar de reconhecer os erros do acúmulo de dívida debilitante nos Trump Hotels and Casino Resorts, Trump defende que seus resorts eram os mais bem administrados e os cassinos eram os de melhor desempenho em Atlantic City. 

"Os cassinos se saíram muito bem do ponto de vista de negócios", ele disse à revista "Playboy" em 2004. "As pessoas concordam que eram bem administrados, tinham bela aparência e os clientes os adoravam." 

Na verdade, a receita dos cassinos de Trump esteve consistentemente aquém das de seus concorrentes por uma década, antes de forças maiores devastarem o setor. A partir de 1997, sua parcela no mercado de jogos de azar de Atlantic City começou a diminuir de seu pico de 30%. 

As receitas de outros cassinos de Atlantic City cresceram 18% de 1997 a 2002; as de Trump caíram 1%. 

A concorrência se tornou mais intensa em 2003, com a abertura do Borgata Hotel Casino and Spa. O resort de US$ 1,1 bilhão e 40 andares redefiniu o conceito de cassino de luxo de Atlantic City. As receitas dos cassinos de Trump caíram 6% adicionais em pouco mais de um ano. 

Se a receita dos cassinos de Trump tivesse crescido na mesma taxa que as dos demais em Atlantic City, sua empresa poderia ter pago os juros de suas dívidas e possivelmente registrado lucro. Mas com a queda de receita e custos elevados, seus cassinos dispunham de pouco dinheiro para reformas e melhorias, que são vitais para hotéis atraírem hóspedes. A empresa de capital aberto nunca registrou um ano lucrativo. 

"Há algo errado quando nenhum de seus projetos funciona", disse Marvin B. Roffman, um analista de cassinos da Janney Montgomery Scott, uma empresa de investimento com sede na Filadélfia. 

O Trump Marina foi vendido por US$ 38 milhões, menos de 10% do que a empresa pagou a Trump por ele em 1996. O Plaza foi fechado. Mas Trump continuou ganhando dinheiro com os cassinos. Em 2011, os cassinos registraram o leasing de um helicóptero de Trump por US$ 390 mil e gastos de US$ 236 mil por "produtos da marca Trump", incluindo US$ 197 mil por água mineral Trump Ice.  

Olhando para trás, David Hanlon, um executivo veterano de cassinos que dirigiu as operações de Merv Griffin em Atlantic City, disse que Trump teve sucesso ao convencer repetidas vezes investidores, banqueiros e Wall Street de que "seu nome tinha valor real". 

"Eles estavam tão apaixonados por ele que voltaram uma segunda, terceira e quarta vez", disse Hanlon. "Eles o deixaram sacar ativos. Foi algo horrível de se ver. Foi espantoso. Tenho que dar crédito a Trump pelo repetido uso de sua celebridade." 

Alguns dos antigos investidores de Trump não mais veem o valor. 

"As pessoas subestimaram a habilidade de Donald Trump de pilhar a empresa", disse Sebastian Pignatello, um investidor privado que já possuiu mais de US$ 500 mil em ações dos cassinos de Trump. "Ele levou essas empresas à falência por sua má gestão, endividamento e pilhagem." 

O que mais se ouve em um comício de Trump? "Saia daqui"

  •  

Tradutor: George El Khouri Andolfato

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos