Opinião: Oposição venezuelana só terá sucesso se conseguir manter os protestos nas ruas

Francisco Suniaga

Em Caracas

  • Meridith Kohut/The New York Times

O país precisa conseguir uma transição democrática, mas é improvável que tenha sucesso caso parem as manifestações em massa

A Venezuela está sofrendo de uma combinação de graves crises —política, econômica, social e humanitária— que requer uma atenção urgente caso queiram evitar uma implosão. No entanto, o presidente Nicolás Maduro e o chavista PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela), após sua esmagadora derrota nas eleições parlamentares em dezembro passado, tiveram uma prioridade radicalmente diferente: a sobrevivência. A partir dessa data, seu principal objetivo tem sido evitar que a oposição preencha requisitos constitucionais para realizar um referendo que encerraria o mandato de Maduro em 2016.

A administração Maduro, com o apoio do Conselho Eleitoral Nacional e do Supremo Tribunal de Justiça, dois braços do governo sobre o qual ele possui controle absoluto, colocou uma série de obstáculos formais de legalidade duvidosa no caminho da oposição. Ela também aumentou a repressão contra a oposição, incluindo a prisão de vários líderes do Vontade Popular, partido de Leopoldo López, um prisioneiro político desde fevereiro de 2014. A estratégia do governo, focada na sobrevivência, levou a uma paralisação funcional de instituições estatais, mas até agora teve sucesso em evitar o referendo revogatório.

Em agosto passado, a oposição venezuelana, unida em uma organização política criada para esse fim específico, conhecida como Mesa da Unidade Democrática (MUD), começou a organizar manifestações em massa para exigir que o conselho eleitoral estabeleça um cronograma para o referendo. A primeira manifestação no dia 1º de setembro foi um imenso sucesso por três motivos. Primeiro, ela foi enorme, apesar das tentativas do governo de obstrui-la. Segundo, foi pacífica. Terceiro, mais uma vez ela despertou a preocupação de uma derrota para Maduro e seus aliados, assim como as eleições parlamentares em dezembro.

Em meio a crise, animais de estimação são abandonados na Venezuela

Apesar desse sucesso, os líderes do MUD precisam ser hábeis e cuidadosos em seus próximos passos. Além de combater e derrotar Maduro através de meios democráticos, eles precisarão manter sua própria ala mais radical sob controle. Na verdade, o MUD teve a difícil tarefa de tentar derrotar o governo de Maduro democraticamente enquanto lidava com brigas internas entre seus próprios membros radicais, especialmente aqueles que nunca entenderam a importância social do movimento chavista, a complexidade da situação venezuelana ou a necessidade de se reparar os danos sem transformar a Venezuela em mais uma Síria.

O referendo é o único caminho que atende os requisitos de ser eleitoral, democrático, pacífico e constitucional. É o mais longo e o mais inconveniente, mas o único outro caminho é esperar pelas eleições presidenciais de 2018.

E por que não esperar? Há diversas razões para acelerar o processo. Juntamente com um grave confronto político entre o governo e a oposição, que entrava qualquer processo de tomada decisão coletiva, a Venezuela está passando por uma emergência social e econômica que alcança o nível de uma crise humanitária. O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, Luís Almagro, diagnosticou a magnitude do problema e o expôs para a atenção da comunidade internacional.

Seu relatório sobre a situação na Venezuela fornece uma descrição detalhada das dificuldades diárias enfrentadas por seus cidadãos. Usando as estimativas do Fundo Monetário Internacional, Almagro alerta que até o final de 2016 a Venezuela terá uma queda de mais 8% em seu PIB; uma inflação acima de 700%; um déficit fiscal de 17% do PIB; e uma dívida externa acumulada de US$ 130 bilhões, que terá um grande peso sobre suas finanças. O impacto desses números sobre a Venezuela é devastador: fome, escassez e deterioração do sistema de saúde. Fica fácil entender por que Maduro terá de sair o quanto antes.

Venezuelanos fazem escambo de alimentos para driblar escassez

No entanto, não existem atalhos, e seria arriscado tentá-los. A única opção é forçar o governo a tomar uma atitude através de meios democráticos, como mobilizações em massa. Novas ações anunciadas pelo MUD ecoam isso e apoiam o objetivo de forçar o governo a estabelecer um cronograma que garanta que o referendo revogatório ocorrerá ainda este ano.

O tempo é crucial para a oposição. A legislação requer que o referendo ocorra em 2016, antes que a primeira metade do mandato de seis anos de Maduro tenha passado em 10 de janeiro de 2017. De acordo com a lei, se ele for derrotado após essa data, novas eleições não podem ser realizadas. Em vez disso, o vice-presidente, nomeado por Maduro, concluiria o mandato, que vai até janeiro de 2019. Se isso acontecer, muitos venezuelanos temem que nada vá mudar, e que as condições atuais só piorem, ainda que seja difícil de acreditar nisso.

Maduro, seu partido e altos funcionários não se renderão sem um plano de fuga. Muitos deles também são militares ativos, e alguns deles são suspeitos de serem responsáveis por crimes como tráfico de drogas, roubo de verba pública e abusos contra direitos humanos. Eles deveriam responder na Justiça, mas até que isso aconteça, eles serão um grande obstáculo para uma revogação pacífica.

Batendo panelas, oposição vai às ruas na Venezuela contra Maduro

Eles não são o único obstáculo. Embora a estratégia de mobilização da oposição, como sugerido na manifestação de 1º de setembro, tenha o potencial de atingir o objetivo de forçar o referendo revogatório este ano, nenhuma outra ação significativa ocorreu desde então. No dia 7 de setembro, houve manifestações organizadas pelo MUD em todas as capitais, mas pouca gente compareceu. Algumas vozes dissidentes na oposição alegam que a liderança do MUD não está realmente engajada em exercer uma pressão popular em massa sobre Maduro, e sugerem que eles estão fazendo um acordo com o governo.

Certamente há algumas indicações de que há conversas ocorrendo entre os dois partidos, com a mediação do ex-primeiro-ministro da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero. Não há nada de errado nisso. A Venezuela precisa de uma negociação política para conseguir uma transição democrática, mas para o MUD, há pouca probabilidade de sucesso caso parem as manifestações em massa.

Francisco Suniaga é um escritor venezuelano.
 

Tradutor: UOL

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos