Há 25 anos, NYT entrevistou Bolsonaro, então deputado, que defendia fechar o Congresso

James Brooke, em julho de 1993

Do New York Times

  • Arquivo

    O então deputado Jair Bolsonaro em seu gabinete na Câmara

    O então deputado Jair Bolsonaro em seu gabinete na Câmara

A reportagem abaixo foi publicada pelo jornal "The New York Times" em 25 de julho de 1993, um domingo. Leia a tradução na íntegra. O texto original está disponível, em inglês, no site  do jornal.

Conversas / Jair Bolsonaro: Um soldado que virou político quer devolver o Brasil ao mando militar

Aplicando à política a ousadia que certa vez demonstrou como paraquedista do Exército, o congressista Jair Bolsonaro mergulhou em um território inexplorado poucas semanas atrás, quando subiu à tribuna da Câmara dos Deputados e pediu o fechamento do Congresso.

"Sou a favor de uma ditadura", gritou em um discurso que sacudiu um país que só deixou o regime militar para trás em 1985. "Nós nunca iremos resolver os problemas nacionais sérios com essa democracia irresponsável."

Falando mais tarde em seu escritório, um cubículo decorado com memorabilia militar e uma grande bandeira brasileira, o esguio congressista do Rio de Janeiro disse estar preparado para a reação que se seguiu: o maior jornal do Rio, o Globo, publicou cartuns na primeira página satirizando-o como um dinossauro de botas, e o presidente da Câmara dos Deputados, Inocêncio de Oliveira, exigiu que a Câmara o cassasse de seu mandato.

Veja também

Mas duas semanas depois, algo ainda mais interessante aconteceu: o presidente da Câmara fez uma reviravolta abrupta e se reconciliou publicamente com Bolsonaro. Estudante de opinião pública, o líder do Congresso aparentemente leu as colunas de cartas dos jornais brasileiros.

"Em todo lugar que vou, as pessoas me abraçam e me tratam como um herói nacional", afirmou Bolsonaro. "As pessoas nas ruas estão pedindo o retorno dos militares. Eles perguntam: 'Quando você voltará?' "

Reprodução/The New York Times
New York Times entrevistou Bolsonaro em 1993
Ele recebeu, disse ele, centenas de telegramas e telefonemas de apoio, e disso ele extrai uma lição que obviamente acolhe. "As pessoas veem a possibilidade da disciplina militar tirar o país da lama".

Para deixar tudo claro, os superiores comandantes militares reiteraram sua lealdade ao presidente Itamar Franco, um civil, e a maioria dos colunistas de jornais acredita que o Brasil manterá seu calendário político, que prevê eleições no próximo ano para presidente, representantes do Congresso, governadores estaduais e legisladores estaduais. 

Mas para muitos defensores da democracia brasileira, o fenômeno Bolsonaro representa uma luz amarela, um sinal de que as pessoas estão impacientes com o fracasso da democracia em conter a inflação e oferecer um estilo de vida melhor, e um aviso de que os políticos autoritários estão ansiosos aproveitar esse estado de espírito e cultivá-lo.

O modelo de Fujimori

"Na época do regime militar, a economia crescia 6% ao ano, você poderia comprar um carro em 36 meses", disse Bolsonaro durante a conversa em seu escritório. "Hoje, o país mal cresce 1% ao ano. A inflação é intolerável".

"A verdadeira democracia é a comida na mesa, a capacidade de planejar sua vida, de andar na rua sem ser assaltado", continuou. De fato, uma recente pesquisa de opinião pública em Recife, uma das cidades costeiras mais pobres do Brasil, relatou que 70% dos entrevistados achavam que a comida era mais importante do que a democracia.

Bolsonaro, que se formou na escola militar em 1973 (o ponto central do último período do regime militar), tem agora 38 anos, um congressista de primeiro mandato com cabelos negros desobedientes que caem sobre a testa.

De certa maneira, ele é apenas a mais recente encarnação da longa tentação autoritária do Brasil; no último século, o país viveu sob um regime democrático formal por apenas 25 anos. Mas há uma nova reviravolta. Hoje, um modelo novo e menos odioso para o autoritarismo latino-americano surgiu no presidente do Peru, Alberto K. Fujimori.

Diante do impasse no Congresso no ano passado, Fujimori, um civil, ordenou ao Exército do Peru que fechasse o Congresso do país e seus tribunais. Um ano depois, Fujimori governa apenas uma Câmara no Congresso, obediente.

"Eu simpatizo com Fujimori", continuou o congressista brasileiro.

A Fujimorização é a saída para o Brasil. Estou fazendo essas advertências porque a população é a favor da cirurgia

Cirurgia política, continuou Bolsonaro, envolveria o fechamento do Congresso por um período de tempo definido e permitiria que o presidente do Brasil governasse por decreto.

A justificativa para uma ruptura constitucional, disse ele, seria a "corrupção política" e a inflação do Brasil, que agora está em 30% ao mês.

Com o Congresso muitas vezes travado em batalhas entre seus 21 partidos, a imprensa do Brasil tem demonstrado um fascínio crescente com o modelo de Fujimori. No mês passado, jornais, revistas e programas de notícias televisivas brasileiros realizaram longas entrevistas com o líder peruano.

"Fujimori colocou 400 mil funcionários públicos na rua", afirmou Bolsonaro. "Como poderíamos fazer isso aqui?"

Quando deteve o poder nas décadas de 1960 e 1970, as Forças Armadas brasileiras expandiram vastamente o setor estatal do Brasil, implantando uma confusão de empresas estatais e monopólios. Hoje, disse Bolsonaro, os líderes das Forças Armadas preferem trazer o Estado de volta ao básico: defesa, educação e saúde.

"Eu voto em todas as leis de privatização que posso", disse Bolsonaro. "É a esquerda que se opõe à privatização. Eles só querem preservar seus empregos no governo".

A trilha da campanha

Sua campanha não se limita ao Congresso. Ele também circula de cidade em cidade, levando sua receita de mudança autoritária para públicos que são ostensivamente compostos por reservistas e aposentados militares.

"Eu só viajo para cidades militares", disse ele. "Não estamos conspirando, porque não há agentes ativos presentes."

Defensores da democracia suspeitam que há algo mais sinistro acontecendo fora da vista do público. Essas viagens são anunciadas como simples esforços para lançar as candidaturas de um bloco de candidatos militares de reserva de 12 Estados nas eleições do próximo ano para o Congresso. Todos os candidatos concorrem em listas controladas pelo partido de Bolsonaro, o Partido Progressista Reformador (PPR).

Na conversa, Bolsonaro previu que a opinião popular apoiaria esmagadoramente a suspensão do Congresso. Nesse estágio, isso pode ser apenas uma ilusão --outros acham que o país está  perto de um consenso para o regime militar-- , mas reflete um fato básico da vida política: qualquer restauração do regime militar só seria possível com civis sólidos. Apoio, suporte. Isso porque as Forças Armadas brasileiras somam 300 mil membros, o que dificilmente é suficiente para controlar uma nação continental de 150 milhões de habitantes apenas pela força.

Até agora, o presidente Itamar Franco descartou categoricamente qualquer ambição de ser um Fujimori brasileiro e se refere a campanhas como a de Bolsonaro como golpes de Estado incipientes.

No entanto, Bolsonaro pode se inspirar em reportagens de jornais sobre reuniões fechadas entre empresários de São Paulo e oficiais do Exército, e na publicação de outdoors em uma favela do Rio de Janeiro protestando contra a alta taxa de sequestro do Rio e terminando com o apelo direto: "Forças Armadas, Assumam o Poder".

Em outras palavras, se está certo ou não, Bolsonaro acredita que o tempo está agora do seu lado. Ele está convencido de que em outubro os brasileiros enfrentarão o fracasso dos esforços anti-inflacionários de Fernando Henrique Cardoso, o quarto ministro da Fazenda do Brasil em um ano.

Enquanto isso, ele disse: "Estou arando os campos".

Tradutor: Thiago Varella

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos