PUBLICIDADE
Topo

Como as 'faixas da morte' que dividiram Europa na Guerra Fria se tornaram santuários de vida selvagem

O Cinturão Verde Europeu se tornou uma tábua de salvação para muitas espécies ameaçadas de extinção - Getty Images
O Cinturão Verde Europeu se tornou uma tábua de salvação para muitas espécies ameaçadas de extinção Imagem: Getty Images

Sophie Hardach

BBC Future

24/02/2020 12h19

Pássaros raros cantam à sombra das antigas torres da Alemanha Oriental. Renas selvagens percorrem a fronteira entre a Finlândia e a Rússia. Linces se esgueiram por bunkers comunistas nas montanhas da Albânia e norte da Macedônia. Em toda a Europa, espécies ameaçadas estão encontrando uma casa improvável nas terras onde a antiga Cortina de Ferro dividiu a região durante a Guerra Fria.

Durante décadas, a fronteira que cortou a Europa foi um símbolo da hostilidade entre os blocos socialista e capitalista. Até a queda do Muro de Berlim, há 30 anos, que dividia a Alemanha, entre o lado Ocidental, da República Federal da Alemanha (RFA), e o Oriental, da República Democrática Alemã (RDA).

Muitos perderam a vida tentando atravessar para o Ocidente, mortos por atiradores ou minas terrestres, na zona proibida entre as duas nações. Este corredor fortemente vigiado ficou conhecido como "faixa da morte".

Mas nesta região onde nenhum homem podia pisar, plantas e animais prosperavam.

Hoje, grande parte da faixa de terra ao longo da antiga Cortina de Ferro foi transformada em um "Cinturão Verde Europeu". Essa faixa de 12,5 mil km de extensão liga parques nacionais e santuários de vida selvagem do Oceano Ártico ao Mar Adriático, com um braço se conectando ao Mar Negro.

Como a mudança climática afeta os padrões de migração de pássaros e outros animais, ela também se tornou uma rota de fuga vital para espécies que fogem para o norte — as áreas mais frias. E tudo começou com alguns intrépidos observadores de pássaros.

Torres de vigia

"Quando eu tinha 14 anos, comecei a registrar as espécies de aves da região", diz Kai Frobel, ecologista que cresceu no lado ocidental da fronteira da Alemanha na década de 1970. "Percebi muito rapidamente que a maioria das espécies raras, como o cartaxo-nortenho, o noitibó-da-europa, e a estamenha-de-milho, estavam todos se reproduzindo na 'faixa da morte' da RDA, em todos os lugares".

Frobel foi o primeiro a documentar publicamente este surpreendente refúgio de vida selvagem, o que o levou à carreira de conservacionista. Hoje, ele trabalha para uma organização ambiental alemã (Bund) que começou a comprar e proteger terras ao longo do lado ocidental da fronteira nos anos 1980.

O lince-dos-balcãs, ameaçado de extinção, é uma subespécie de lince-da-eurásia que percorre áreas de caça na Albânia, Kosovo, Macedônia do Norte e Montenegro - Getty Images
O lince-dos-balcãs, ameaçado de extinção, é uma subespécie de lince-da-eurásia que percorre áreas de caça na Albânia, Kosovo, Macedônia do Norte e Montenegro
Imagem: Getty Images

Após a queda do Muro de Berlim em 1989, Frobel sugeriu transformar a faixa de fronteira interna da Alemanha em um "cinturão verde" de 1,4 mil km de comprimento. A Alemanha se reunificou em 1990, tornando isso possível. No centro do plano de Frobel estava esta faixa de terra, que antes pertencera oficialmente à RDA. Por estar no lado oriental das cercas e muros da fronteira, ela mal havia sido tocada durante os 40 anos em que leste e oeste ficaram divididos.

"As patrulhas de fronteira só chegavam lá de poucos em poucos anos. Elas retiravam arbustos, limpavam um pouco a área, que não era usada de jeito nenhum", diz Melanie Kreutz, líder de projeto em Bund. "Portanto, sem agricultura, sem pesticidas, sem fertilizantes. E esta área, essa terra de ninguém, é realmente a espinha dorsal ecológica do cinturão verde (alemão) hoje. "

Mais de 80% da antiga fronteira interna da Alemanha agora faz parte desse cinturão verde protegido. Seu legado histórico foi preservado junto com plantas e animais. Os visitantes podem avistar orquídeas, lontras e cegonhas, mas também explorar a história da Guerra Fria através de museus, exposições e caminhadas guiadas, além de passeios de bicicleta.

Ao longo da antiga Cortina de Ferro, bolsões semelhantes de área selvagem foram mantidos intocados durante o impasse Leste-Oeste. No norte, as florestas da Noruega, Finlândia e Rússia abrigavam alces e ursos e, no extremo sul, nas montanhas e lagos dos Bálcãs, linces e pelicanos prosperavam.

Após o fim da Guerra Fria, os países ao longo da fronteira gradualmente uniram forças para preservar esse corredor acidental e compartilhado de vida selvagem.

O Cinturão Verde Europeu agora percorre 24 países, cobrindo uma enorme variedade de habitats, incluindo costas, lagos, florestas e montanhas. Embora ainda existam lacunas, o cinturão verde se tornou uma linha de salvação para muitas espécies ameaçadas de extinção.

Trampolins para renas

"Esses corredores são complexos ecossistemas que permitem que as espécies mantenham suas fortalezas, troquem genes e migrem", diz Aimo Saano, gerente de conservação da natureza da Metsähallitus, uma agência governamental que administra as principais áreas da parte finlandesa do Cinturão Verde da Europa.

"Como sabemos da Europa densamente habitada, esse é o perigo óbvio: que os ecossistemas foram minimizados e cortados em pequenos pedaços, separados um do outro."

A ligação por meio de fronteiras pode ajudar a combater essa tendência e apoiar espécies como as renas florestais, altamente ameaçadas de extinção. Na década de 1990, uma das poucas populações remanescentes de renas silvestres da floresta vivia na Carélia, uma região russa na fronteira com a Finlândia.

Diferentemente da fronteira entre as Alemanhas, a divisa entre a Rússia e a Finlândia não desapareceu. Mas os conservacionistas russos e finlandeses transferiram algumas das renas da floresta selvagem russa para um parque nacional finlandês, estabelecendo uma segunda população menor a oeste do cinturão verde. As renas podem se mover para frente e para trás através da fronteira, e a troca genética resultante é vital para a saúde futura da espécie, diz Saano.

Algumas espécies, como pássaros, borboletas e outros insetos, estão migrando para o norte ao longo do Cinturão Verde Europeu para escapar dos efeitos do aquecimento global.

"Pelo menos aqui elas terão um corredor para se mover", diz Saano.

Paz e pelicanos

No extremo sul do Cinturão Verde Europeu, nos Bálcãs, o fim da Guerra Fria foi seguido por uma série de guerras sangrentas. Quando a ex-Iugoslávia se desfez, poucas pessoas viram a proteção da vida selvagem como prioridade. Com a paz, no entanto, surgiu uma crescente conscientização sobre os tesouros naturais da região e uma vontade de cruzar as fronteiras para protegê-los.

"Nosso foco principal é obviamente a proteção do meio ambiente, mas nos Bálcãs isso vai além", diz Sandra Wigger, gerente de projetos da EuroNatur, fundação ambiental que coordena organizações locais ao longo da seção balcânica do cinturão verde.

"Trata-se também de intercâmbio transfronteiriço e desenvolvimento regional. É sobre deixar as pessoas verem que podem agir juntas. Porque elas passaram por aqueles anos de guerra que nem sequer faz tanto tempo."

Mais de 80% da antiga fronteira interna da Alemanha agora faz parte do Cinturão Verde Europeu protegido - Getty Images
Mais de 80% da antiga fronteira interna da Alemanha agora faz parte do Cinturão Verde Europeu protegido
Imagem: Getty Images

As condições naturais nesta área montanhosa e escassamente povoada, e sua história da Guerra Fria, resultaram em habitats selvagens intocados. A Albânia, por exemplo, ficou particularmente isolada durante o regime comunista. Suas fronteiras ainda estão pontilhadas de bunkers. Na Bulgária, uma zona de proibição de até 25 km de largura em alguns lugares delimitava a fronteira.

"Ainda existem grandes áreas de natureza intocada, grandes áreas florestais que foram usadas apenas pelas poucas pessoas que vivem nessas regiões montanhosas", diz Wigger. "As cidades geralmente estão muito distantes. Isso significa que realmente temos uma enorme biodiversidade aqui que foi preservada."

Pelicanos-dálmatas estão entre as espécies que prosperaram nesta região selvagem. A maior colônia do mundo se reproduz nos campos de junco dos lagos Prespa, entre Grécia, Albânia e Macedônia do Norte.

Outra espécie da fronteira é o lince-dos-balcãs, ameaçado de extinção, que perambula entre diferentes áreas de caça dentro e ao longo do cinturão verde, como o Parque Nacional Mavrovo, no norte da Macedônia. Mas também nas montanhas da Albânia, Kosovo e Montenegro.

Para os conservacionistas que trabalham ao longo do Cinturão Verde Europeu, a conexão com outros países também cria oportunidades para trocar informações e aprender uns com os outros.

"Essa abordagem europeia dá uma dimensão tão grande, onde você realmente vê, OK, existem pessoas, organizações, agências governamentais em todo o continente que trabalham juntas além das fronteiras", diz Wigger. "Existe esse apoio, esse sentimento de fazer parte de uma comunidade em que você percebe que não está sozinho".

'Um monumento vivo'

Nem todo mundo é a favor do cinturão verde, no entanto. Na Alemanha, onde os conservacionistas gostariam de fechar as lacunas no cinturão, associações de agricultores têm protestado contra sua expansão.

Eles temem a perda de terras agrícolas. O aumento do preço da terra, a demanda por culturas de biocombustíveis e a construção de estradas também estão pressionando o cinturão verde.

Para Frobel, que passou a infância perto de uma fronteira que parecia ser impossível de cruzar na época, não se trata apenas de proteger o meio ambiente, como também de preservar uma memória.

"É um monumento ecológico vivo para uma geração que não testemunhou a fronteira", diz ele. "Nossa expectativa básica era de que essa monstruosa fronteira interior da Alemanha fosse construída para a eternidade. Quase ninguém pensou que, um dia, não estaria mais lá."

Como diz seu colega Kreutz: "Para as pessoas, era uma zona de morte. Mas a natureza conseguiu realmente florescer livremente lá."

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que informou o segundo parágrafo, a queda do Muro de Berlim ocorreu há 30 anos, e não há 28 anos. O texto foi corrigido.

Meio Ambiente