Topo

Comlurb recolhe 13,6 toneladas de peixes mortos na Lagoa Rodrigo de Freitas

Alessandro Buzas/Futura Press/Estadão Conteúdo
Peixes mortos boiam nas margens da lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro Imagem: Alessandro Buzas/Futura Press/Estadão Conteúdo

Da Agência Brasil

2018-12-20T22:32:53

20/12/2018 22h32

A Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb) recolheu até as 18h de hoje (20) 13,6 toneladas de peixes mortos da Lagoa Rodrigo de Freitas, zona sul do Rio. A mortandade atingiu principalmente as savelhas, peixes mais fracos quando falta oxigenação na água. A companhia atuou com uma equipe de 90 garis e dez agentes de limpeza urbana. O trabalho prossegue durante toda a madrugada e, se necessário ao longo desta sexta-feira (21), com uma equipe de 70 garis até cessar a mortandade. 

De acordo com o biólogo Mario Moscatelli, que estuda as lagoas do Rio, como Marapendi, da Tijuca e Rodrigo de Freitas, o forte calor na cidade contribuiu para a tragédia ambiental, mas este não foi o único fator da mortandade. Moscatelli disse que caminhou hoje cedo no entorno da Lagoa e reparou que parecia que os cardumes estavam em banho-maria. "A água estava quente, extremamente quente, e água quente não é muito bom, porque ela reduz a concentração de oxigênio", disse.

Em nota, a Secretaria de Conservação do Município do Rio (Seconserva) informou que os órgãos ambientais estão em alerta desde a madrugada, devido à mortandade de toneladas de peixes. "Os órgãos ambientais envolvidos no monitoramento da Lagoa estão em alerta desde esta madrugada, quando se registrou tendência declinante nos valores das concentrações de oxigênio dissolvido na água, com forte perda desses níveis, chegando no início da madrugada até as 10h, da manhã ao valor = < 0,1mg/L, indicando início de anoxia, ou seja,  ausência ou diminuição de oxigênio na água".

Mais Meio Ambiente