PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Emissões de CO2 no mundo cairão 7% em 2020 devido à pandemia da Covid-19

09/12/2020 23h42

Nairóbi, 9 dez (EFE).- As emissões de dióxido de carbono (CO2), um dos principais gases com efeito estufa, serão reduzidas em até 7% em 2020 devido à desaceleração da atividade devido à pandemia covid-19, de acordo com informações divulgadas nesta quarta-feira pelas Nações Unidas.

"Como resultado da redução de viagens, menor atividade industrial e menor produção de energia este ano devido à pandemia, as emissões de dióxido de carbono deverão cair até 7% em 2020", disse o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), com sede em Nairóbi (Quênia).

No entanto, essa queda "significa apenas uma redução de 0,01 graus Celsius no aquecimento global até 2050", o que não impede "que o mundo ainda caminhe para um aumento de temperatura de mais de 3 graus Celsius neste século", longe do objetivo de manter essa temperatura abaixo de 2 graus estabelecido no Acordo de Paris, em 2015, sobre redução de emissões.

Esse alerta está contido na 11ª edição do Relatório de Lacunas de Emissões do PNUMA para 2020, que compara as reduções reais com as necessárias na luta contra o aquecimento global.

O estudo constata que a "ruptura econômica" causada pela crise do coronavírus "desacelerou brevemente - embora esteja longe de tê-la eliminado - o efeito histórico e crescente da atividade humana sobre o clima da Terra", o que se verifica no aumento dos fenômenos climáticos extremos.

Mas "enquanto o mundo luta com os impactos contínuos da pandemia da Covid-19, a crise climática não desapareceu", lembrou a diretora-executiva do PNUMA, Inger Andersen.

Na verdade, o relatório observa que as emissões de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa continuaram a crescer pelo terceiro ano consecutivo em 2019, quando alcançaram um novo recorde de 59,1 gigatoneladas de CO2 equivalente.

De acordo com o estudo, as emissões globais de gases de efeito estufa aumentaram em média 1,4% ao ano desde 2010, com uma taxa de aumento mais rápido de 2,6% em 2019, devido a um grande aumento dos incêndios florestais.

"O ano de 2020 está no caminho para ser o mais quente já registrado. Incêndios florestais, tempestades e secas continuam causando estragos enquanto as geleiras derretem a uma taxa sem precedentes", alertou Inger Andersen.

Meio Ambiente