Marina Silva critica declaração de Lula e alfineta Dilma Rousseff

Rayder Bragon
Especial para o UOL Notícias

Em Belo Horizonte

A senadora Marina Silva, pré-candidata do PV à Presidência da República, disse ter ficado preocupada com a declaração do presidente Lula de que não era admissível ficar subordinado a determinações de juízes e que quando saísse do governo “iria arregaçar as mangas para fazer a reforma política”. O presidente foi multado duas vezes pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) por fazer campanha antecipada para a pré-candidata do PT, a ex-ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff.

“Eu confesso que vi com preocupação. A necessária reforma política que nós precisamos fazer não é para colocar os políticos acima da justiça”, disse a senadora durante entrevista nesta sexta-feira (9), na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

De maneira indireta, ela também alfinetou Dilma. Nesta semana, a petista disse em Belo Horizonte ser plausível o voto “Dilmasia”, cenário no qual se imaginaria que os eleitores de Minas Gerais votariam em Antonio Anastasia, governador do Estado e pré-candidato do PSDB para o cargo, e em Dilma para a cadeira de presidente da República.

“Eu não faço discurso oportunista, de conveniência. O eleitor é livre. Ele vai votar em quem ele quer. Ele (eleitor) faz a junção que quer e eu acho que é assim que a gente deve encarar a disputa”, avaliou a senadora, que em seguida iria participar da posse do novo presidente estadual do PV, Ronaldo Vasconcellos, secretário municipal de meio ambiente de Belo Horizonte.

Questionada sobre um ponto polêmico, a descriminalização da maconha, Marina Silva defendeu que o tema seja debatido e decidido após um plebiscito com a população. “Como é uma questão bastante polêmica, com uma complexidade muito grande, o que eu defendo para essa questão e a questão do aborto é a realização de um plebiscito. Não vou fazer um discurso do senso comum, satanizando quem defende o aborto e a descriminalização da maconha”, disse.

Ao responder sobre as coligações que o PV pretende fazer visando o pleito deste ano, a senadora afirmou que a sua legenda vai fazer coligações “de um novo tipo”. Ela ainda criticou as demais legendas, sem dizer quais, classificando-as de “máquinas de ganhar eleição”. “As pessoas começaram a fazer um cálculo pragmático de quem tem mais tempo de televisão, quem tem mais palanque, que tem mais cacique”, criticou. A senadora vai permanecer em Belo Horizonte, participar neste sábado de um encontro com evangélicos e ministrar palestra em uma faculdade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos