PUBLICIDADE
Topo

Política

"Não acabem com minha vida", pede Demóstenes, que se compara a Jesus e relembra envolvimento de relator em escândalo

Do UOL, em São Paulo e Brasília

11/07/2012 13h10Atualizada em 11/07/2012 13h40

"Hoje cai o rei de espadas, cai o rei de ouros, cai o rei de paus, não fica nada", disse Demóstenes Torres (ex-DEM-GO), lembrando Ivan Lins, ao falar na tribuna do Senado nesta quarta-feira (11). Alvo de processo de cassação no Conselho de Ética da Casa, o parlamentar se comparou a Jesus Cristo, disse que foi perseguido como "um cão sarnento" e afirmou que a Casa praticará política de dois pesos e duas medidas se o cassar, já que sua situação é similar à do relator de seu processo, Humberto Costa (PT-PE).

O senador goiano é alvo de processo de cassação no Conselho de Ética do Senado. Contra ele, pesam suspeitas e matérias na imprensa que o ligam ao bicheiro Carlinhos Cachoeira. Demóstenes disse que o volume de denúncias envolvendo seu nome é infundado e coisa de pessoas que "não tendo mais o que fazer, começaram a dizer isso e aquilo".

"Como vou me defender disso? É como acusar uma mulher de vagabunda. Tudo que ela disser estará equivocado." O senador atacou a imprensa várias vezes durante sua fala. ""Eu fui moído, triturado, achacado na minha dignidade", afirmou.

Em seu discurso, Demóstenes lembrou que o relator de seu caso no Conselho de Ética, Humberto Costa (PT-PE), foi acusado de envolvimento na máfia dos Sanguessugas –esquema de liberação de emendas para a compra superfaturada de ambulâncias– quando era ministro da Saúde.

“Eu quero o mesmo direito. Assim como ele [Costa], eu provei que sou inocente (...). Por que a minha cabeça deve rolar? Eu provei várias vezes que sou inocente, eu quero o direito.”

Ao negar que atuou em prol de Cachoeira, o parlamentar disse que foi o “braço político das crianças” ao defender projetos de combate à pedofilia; dos idosos, na consolidação do estatuto; dos pobres, ao ser escolhido no fim do governo Lula para ser o relator do Fundo de Erradicação da Pobreza.

“Se (Cachoeira) cometeu crimes, cana nele. Eu não fiz nada, não existe uma prova contra mim, uma denúncia contra mim.”

Política