Dois dias depois de receber mala de R$ 500 mil da JBS, Loures viajou com Temer

Leandro Prazeres e Flávio Costa

Do UOL, em Brasília

  • Bruno Santos/Folhapress

    O deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), ao chegar ao Brasil

    O deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), ao chegar ao Brasil

Dois dias depois de ter recebido uma mala com R$ 500 mil de um dos delatores da JBS, o deputado federal afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) viajou com o presidente Michel Temer (PMDB) para participar de uma agenda oficial em São Paulo.

Interceptações telefônicas feitas com autorização judicial e divulgadas após a deflagração da Operação Patmos mostram que Loures pediu diretamente ao cerimonial da Presidência para fazer parte da comitiva de Temer. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do Palácio do Planalto. 

Rocha Loures e Temer são alvos de um inquérito que tramita no STF (Supremo Tribunal Federal) que apura a suposta prática de obstrução de Justiça e corrupção passiva. Na semana passada, uma decisão do Supremo afastou Loures de seu mandato como parlamentar. 

Loures é suspeito de ter recebido propina da JBS para viabilizar nomeações e operações de interesse da companhia. Temer, por sua vez, é suspeito de ter indicado Loures ao empresário Joesley Batista para que ele intercedesse em favor de Joesley em assuntos de interesse do grupo. 

O presidente também é suspeito de ter dado aval a Joesley para que ele pagasse propina ao ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso pela Operação Lava Jato. 

Em uma ação controlada organizada pela PGR (Procuradoria-Geral da República), Loures foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil entregue pelo diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud. 

A ação controlada tinha a intenção de comprovar a informação repassada pela JBS aos procuradores federais de que Rocha Loures, um dos auxiliares mais próximos de Temer, recebia propinas. 

O dinheiro seria o pagamento pela ação do deputado afastado em favor das empresas do grupo J&F no Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). Os procuradores suspeitam que Temer também fosse um dos beneficiários da propina. Temer negou ter conhecimento de que o deputado afastado estaria recebendo propinas. 

Joesley diz que, com queda de Geddel, Temer indicou Loures

A viagem

A entrega da mala foi realizada por volta das 18h30 do dia 28 de abril em uma pizzaria de São Paulo. Toda a ação foi filmada por agentes da Polícia Federal que monitoravam a entrega do dinheiro. 

Pouco mais de uma hora depois, às 19h40, a PF interceptou uma ligação entre Loures e o cerimonial da Presidência da República.

Na ligação, o deputado afastado confirma sua presença em um voo entre Brasília e São Paulo no qual Temer estaria junto. 

A viagem de Loures e Temer aconteceu no dia 30 de abril, dois dias após a entrega da mala. 

Os dois partiram de Brasília às 8h15 rumo a São Paulo para participar da inauguração da Casa Japão, uma instituição cultural ligada à comunidade japonesa no Brasil. Ambos partiram de São Paulo às 12h20. 

A proximidade entre a entrega da mala e a viagem de Loures e Temer chama a atenção por conta do relacionamento próximo entre os dois. 

Em um áudio gravado por Joesley Batista e entregue aos procuradores da República, Loures disse ao empresário que ele seria uma "emissário" do presidente

Suspeito de corrupção, o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) agendou o encontro de Michel Temer com o empresário Joesley Batista na véspera da reunião, em março, e disse ao agora delator que era um "emissário" do presidente na Câmara.

Outro lado

Em entrevista publicada nesta segunda-feira (22) pelo jornal "Folha de S. Paulo", Temer condenou a conduta de seu ex-auxiliar e classificou-a como não "aprovável", mas disse acreditar que Rocha Loures teria "uma boa índole". 

"Sempre tive a convicção de que ele tem muito boa índole. Agora, que esse gesto não é aprovável", disse Temer. 

Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa do Palácio do Planalto confirmou a agenda conjunta de Loures e Temer. 

A reportagem procurou a defesa de Loures, mas o advogado José Luis de Oliveira Lima não quis dar declarações sobre o caso. 

Temer: Gravação é "fraudulenta" e delator cometeu "crime perfeito"

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos