Topo

Moro determina que Lula deixe sede da PF para ser interrogado

Divulgação - 13.set.2017/Justiça Federal
Lula e Moro já estiveram frente a frente em duas oportunidades Imagem: Divulgação - 13.set.2017/Justiça Federal

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

2018-06-27T13:08:51

27/06/2018 13h08

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve deixar a sede da PF (Polícia Federal) em Curitiba pela primeira vez no dia 11 de setembro, quando será interrogado pelo juiz federal Sergio Moro no processo sobre o sítio de Atibaia. Nesta quarta-feira (27), o magistrado expediu um ofício para que a PF tome as “providências necessárias para a realização de escolta” de Lula para a sede da Justiça Federal na capital paranaense, onde será realizada a audiência.

Caso não haja uma decisão judicial para conceder a liberdade a Lula --o que pode acontecer no STF (Supremo Tribunal Federal)--, essa será a primeira ocasião, depois de cinco meses, em que o petista sairá do 4º andar da sede da PF, onde está custodiado.

Lula está preso desde 7 de abril para cumprir sua pena de 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, investigados pela Operação Lava Jato.

Além de Lula, também serão escoltados outros dois réus do processo do sítio que também estão custodiados na sede da PF: Léo Pinheiro, ex-presidente da empreiteira OAS, e Agenor Franklin de Magalhães Medeiros, ex-diretor da mesma empresa.

Consultada pelo UOL, a defesa de Lula ainda não avaliou se irá pedir para que a audiência seja realizada por meio de videoconferência, como seria feito no processo da Operação Zelotes, que tramita na Justiça Federal no Distrito Federal.

Em função da situação de Lula, o juiz Vallisney de Souza Oliveira aceitou o pedido da defesa e do próprio ex-presidente para que os argumentos do petista fossem ouvidos à distância e da sede da PF, e não da Justiça Federal em Curitiba, que seria o comum. O trajeto entre os dois prédios é de cerca de cinco quilômetros. O interrogatório para Brasília foi adiado para dia indeterminado.

Desde que foi preso, Lula só teve uma aparição pública, em 5 de junho, em depoimento como testemunha de defesa do ex-governador Sergio Cabral. O encontro foi marcado por piadas.

No processo do sítio, é investigado se Lula recebeu cerca de R$ 1 milhão das empresas Odebrecht, OAS e Schahin por meio de obras feitas na propriedade, que era frequentada por ele e sua família. O MPF (Ministério Público Federal) diz que o sítio, registrado em nome de outras pessoas, pertence, na verdade, ao ex-presidente. A defesa de Lula nega.

Esse será o terceiro encontro entre Lula e Moro. Em maio do ano passado, o petista foi ouvido no processo do tríplex, pelo qual já foi condenado. Em setembro de 2017, Lula foi ouvido em um processo que envolve um terreno para o Instituto Lula. Essa ação ainda está em andamento.

Juiz diz a Lula que foi a comício de petista quando jovem

UOL Notícias

Mais Política