PUBLICIDADE
Topo

Política

'Entre exercícios e fisioterapia', Bolsonaro reassume a Presidência

Reprodução - 27.jan.2019
Imagem: Reprodução - 27.jan.2019

Nathan Lopes e Luciana Amaral

Do UOL, em São Paulo e em Brasília

30/01/2019 12h39Atualizada em 30/01/2019 13h09

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) informou que reassumiu suas funções nesta quarta-feira (30). O Planalto estava sob comando de seu vice, Hamilton Mourão (PTRB), desde segunda-feira (28) em razão da cirurgia para retirada da bolsa de colostomia que utilizava desde o ataque a faca que sofreu em Juiz de Fora (MG).

"Entre exercícios e fisioterapia, os trabalhos que já vinham sendo tocados pela nossa equipe seguem com afinco", escreveu em mensagem publicada em suas redes sociais no início da tarde. 

Bolsonaro aproveitou para agradecer o apoio que está recebendo "será fundamental para minha total recuperação".

De acordo com o último boletim médico, divulgado pelo hospital Albert Einstein na terça-feira (29), o quadro de Bolsonaro é estável. O presidente continua recebendo analgésicos e hidratação endovenosa e, nesta tarde, já conseguiu ficar sentado em uma poltrona, além de realizar fisioterapia respiratória e motora com bom desempenho.

Segundo o porta-voz da Presidência, Bolsonaro ainda precisa permanecer em repouso, mas se tentará evitar que ele faça despachos "de maneira rotineira, [para] que ele não se canse", disse. 

O presidente terá a seu dispor um gabinete no andar onde está internado e deve ficar no hospital por pelo menos dez dias.

Mourão interino

Nesta quarta, o vice-presidente, Hamilton Mourão (PRTB), informou que tem mantido contato com Bolsonaro por meio de mensagens, pois este ainda não pode falar. 

Mourão assumiu a Presidência interinamente quando Bolsonaro entrou no centro cirúrgico no domingo. Ele atuou como presidente em exercício pelas 48 horas seguintes até esta quarta.

"O presidente não está podendo conversar. Eu mandei uma mensagem para ele com os últimos dados a respeito de Brumadinho", afirmou.

Mais cedo, Mourão se reuniu com o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, sobre o Nordeste. O vice disse que Canuto, junto aos ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente) e almirante Bento Albuquerque (Minas e Energia), deverão viajar nesta quinta para São Paulo a fim de visitar Bolsonaro no hospital para tratar das providências após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG). A reunião deverá ser "breve", falou.

"Até porque a recomendação e os pedidos da família são de que visitas só após segunda-feira", comentou.

Política