PUBLICIDADE
Topo

Política

Miliciano ficava com parte de salários de ex-assessores de Flávio, diz MP

Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz - Reprodução
Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz Imagem: Reprodução

Gabriel Sabóia, Igor Mello, Silvia Ribeiro e Eduardo Militão

Do UOL, no Rio e em Brasília

19/12/2019 12h26Atualizada em 19/12/2019 14h41

Resumo da notícia

  • MP aponta que o ex-PM Adriano Nóbrega ficava com parte de salários de parentes empregados por Flávio Bolsonaro na Alerj
  • O MP obteve diálogos da ex-mulher do miliciano com Fabrício Queiroz e Adriano Nóbrega
  • Conversas indicam que Danielle Mendonça recebeu apoio jurídico após a investigação vir à tona
  • Queiroz pediu que ela tivesse "cuidado com o que vai falar no celular"
  • A defesa de Queiroz afirmou que a interpretação dos diálogos foi "distorcida"
  • Flávio Bolsonaro ainda não se manifestou sobre o teor da investigação do MP

Chefe da milícia de Rio das Pedras, na zona oeste do Rio de Janeiro, o ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega ficava com parte dos valores arrecadados através de "rachadinha" no gabinete de Flávio Bolsonaro (RJ-sem partido) à época em que era deputado estadual na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), segundo afirma o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) em documento que pede à Justiça do Rio mandados de busca e apreensão e quebras de sigilos.

A Promotoria, que investiga a prática de devolução de parte dos salários de ex-assessores de Flávio na Alerj, teve acesso a conversas de WhatsApp da ex-mulher do miliciano, Danielle Mendonça da Costa, com o ex-assessor Fabrício Queiroz —apontado como operador financeiro no esquema do gabinete de Flávio— e com o Capitão Adriano, como é conhecido. Segundo o MP, Adriano interveio junto a Queiroz na tentativa de manter sua ex-esposa no cargo e admitiu que era beneficiado por parte dos recursos desviados por parentes dele também nomeados na Alerj.

O ex-assessor, amigo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desde 1984, recolhia parte dos salários de funcionários nomeados no gabinete (vários deles com fortes indícios de serem fantasmas), segundo aponta a investigação do MP. Duas delas são Raimunda Veras Magalhães e Danielle Mendonça da Costa, respectivamente mãe e ex-mulher do ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega —foragido da Justiça após ser apontado pelo MP como chefe da milícia que controla a comunidade do Rio das Pedras, em Jacarepaguá.

Os salários de Raimunda e Danielle somaram, ao todo, R$ 1.029.042,48, dos quais pelo menos R$ 203.002,57 foram repassados direta ou indiretamente para a conta bancária de Queiroz, segundo o MP. Além desses valores, R$ 202.184,64 foram sacados em espécie por elas. Segundo o MP, isso viabilizaria a "simples entrega em mãos" de dinheiro para o ex-assessor.

Queiroz pede a ex de miliciano "cuidado" com celular

O ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega - Reprodução/Polícia Civil - Reprodução/Polícia Civil
O ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega
Imagem: Reprodução/Polícia Civil

De acordo com o Gaecc (Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção), Adriano fez contato com Danielle por Whatsapp no dia 29 de dezembro do ano passado —período no qual a investigação do Caso Queiroz já em curso.

Na ocasião, o miliciano pedia informações a Danielle sobre a exoneração dela do cargo —Danielle Mendonça é apontada como funcionária fantasma do gabinete de Flávio desde 2007 (ela trabalhou no gabinete de Flávio entre 6 de setembro de 2007 e 13 de novembro de 2018). Eles conversam sobre dificuldade financeira enfrentada por ela.

Em nova conversa, no dia 6 de janeiro, Danielle volta a falar sobre problemas financeiros e Adriano se compromete a ajudar com "um complemento". Nessa mesma conversa, o ex-PM afirma que "contava com o que vinha do seu também", indicando que recebia parte dos valores oriundos de rachadinha no gabinete de Flávio. O MP não revela, contudo, o quanto Adriano teria embolsado.

A ex-assessora de Flávio pede para que o ex-marido resolva a sua situação financeira e intervenha quanto a uma eventual nova nomeação na Alerj. Ela estaria sendo pressionada a sair do imóvel que ocupava na Barra da Tijuca, zona oeste carioca.

"Eu preciso de um posicionamento seu. Você disse que nada iria mudar", disse ao miliciano. Em resposta, ele diz: "mas as coisas mudam. Não depende só da gente. As coisas não estão fáceis para mim".

Nos diálogos com Danielle, Queiroz se refere a Adriano como "amigo". O grupo "Escritório do Crime" que, segundo o MP é chefiado por Adriano, é apontado pela Polícia Civil do Rio e pela promotoria como responsável pela morte da vereadora Marielle Franco (PSOL), em março de 2018. Os advogados de Adriano negaram em petição ao STF (Supremo Tribunal Federal) que ele fosse chefe dos grupos criminosos.

Já investigado e alvo de reportagens que expunham a rachadinha no gabinete de Flávio, Queiroz pediu em 6 de dezembro do ano passado para que Danielle tivesse "cuidado com o que vai falar no celular".

Danielle perguntava, àquela altura, se ainda tinha algo a receber do gabinete de Flávio na Alerj após a exoneração. Diante da negativa de Queiroz, ela responde "meu deus". Após perguntar se poderia voltar a ser nomeada em algum gabinete, Queiroz afirmou "pode ser que sim".

Em nova conversa com Queiroz, datada de 16 de janeiro, a ex-assessora afirma que foi "orientada" e que havia encontrado "os amigos". De acordo com o MP-RJ, "os amigos" seria o nome pelo qual os dois se referiam à organização criminosa responsável por providenciar advogados para agir em defesa dos dois após vir à tona a investigação do Caso Queiroz em dezembro do ano passado.

Outro lado

A reportagem tenta contato com a defesa de Adriano Nóbrega e Danielle Costa.

Em nota, a defesa de Queiroz afirmou que "a interpretação dada a esses diálogos é feita de forma distorcida e a partir de recortes de diálogos obtidos de forma ilegal, portanto, para que os fatos possam ser avaliados com isenção é necessário que todo o diálogo seja apresentado".

O UOL também procura a defesa de Flávio. O advogado dele, Frederick Wassef, criticou ontem, por meio de nota, a operação do MP que cumpriu 24 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Queiroz e a parentes de Ana Cristina Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro.

Funcionários do MP também estiveram em loja de chocolates de Flávio Bolsonaro localizada no Via Parque, shopping da zona oeste carioca.

Wassef disse que os promotores "não irão encontrar nada" que comprometa Flávio. "Recebemos a informação sobre as novas diligências com surpresa, mas com total tranquilidade. Até o momento, a defesa não teve acesso a medida cautelar que autorizou as investigações e, apenas após ter acesso a esses documentos, será possível se manifestar. Confirmo que a empresa do meu cliente foi invadida, mas garanto que não irão encontrar nada que o comprometa. O que sabemos até o momento, pela imprensa, é que a operação pode ter extrapolado os limites da cautelar, alcançando pessoas e objetos que não estão ligados ao caso", afirmou.

Siga o UOL no

Política