PUBLICIDADE
Topo

Em live, Bolsonaro dá recado a Mandetta: "Paciente pode trocar de médico"

Presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante evento em Brasília - ADRIANO MACHADO
Presidente Jair Bolsonaro ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante evento em Brasília Imagem: ADRIANO MACHADO

Flávio Costa

Do UOL, em São Paulo

09/04/2020 19h52Atualizada em 09/04/2020 21h48

Resumo da notícia

  • Descontente com ministro da Saúde, Jair Bolsonaro manda indireta a Mandetta
  • Em live no Facebook, presidente da República se recusa a comentar sobre conversa telefônica entre Onyx Lorenzoni e Osmar Terra
  • Bolsonaro voltou a defender uso da hidroxicloroquina no tratamento da covid-19 e citou cardiologista Roberto Kalil
  • Brasil só tem condições de manter medidas econômicas de combate à crise por até quatro meses, disse Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou hoje, durante sua live no Facebook, que "médico não abandona paciente, mas paciente pode trocar de médico". Sem mencionar o ministro Luiz Henrique Mandetta, o presidente fez referência à frase que se tornou a resposta padrão do chefe da Saúde às perguntas sobre sua possível saída da pasta.

A insatisfação de Bolsonaro com o ministro se tornou notória há semanas, e boatos sobre a eventual saída de Mandetta se intensificaram há alguns dias após uma tensa reunião interministerial.

Hoje, a CNN Brasil revelou conversa telefônica entre o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, e o deputado federal Osmar Terra (MDB) em que ambos tratavam de uma possível demissão do ministro da Saúde.

O jornal "Valor Econômico" revelou que Mandetta se encontrou hoje com Bolsonaro, após a divulgação da conversa telefônica. Os dois falaram sobre o assunto, mas o teor do diálogo não foi divulgado. O encontro durou entre 16h30 e 16h45.

Bolsonaro começou sua transmissão recusando-se a comentar o assunto que foi mais uma vez um dos mais comentados do dia: "Quem está esperando eu falar do Mandetta, do Osmar Terra e do Onyx pode passar para outra live. Não vai ter esse assunto aqui não".

Contudo, após defender mais uma vez o uso da hidroxicloroquina para o tratamento de pacientes com covid-19, afirmou: "Você tem todo o direito de trocar de médico, com todo respeito aos profissionais. Então repito: médico não abandona paciente, mas paciente pode abandonar médico".

Na semana passada, Mandetta já havia respondido a boatos sobre sua saída dizendo não ser "dono da verdade". "Estou simplesmente vendo um paciente e dizendo que esse é o melhor caminho. Mas é normal também o médico falar que o caso é de cirurgia, e o paciente querer ouvir uma segunda opinião", disse na ocasião. "Médico não abandona paciente, meu filho."

Ministro Onyx Lorenzoni discutiu com Osmar Terra a demissão de Mandetta
Imagem: Ministro Onyx Lorenzoni discutiu com Osmar Terra a demissão de Mandetta

Sem se referir diretamente ao chefe da Saúde, Bolsonaro aproveitou para perguntar se o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, que acabara de apresentar algumas ações do governo para combater os impactos econômicos da crise, já tinha trocado de médico alguma vez. Guimarães respondeu afirmativamente.

Combate à crise

Ações do governo federal para combater a crise decorrente da pandemia foram abordadas no começo da transmissão. Ao lado de Bolsonaro, o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, reiterou que cerca de 2,5 milhões de pessoas receberam hoje (9) a primeira parcela do auxílio emergencial de R$ 600. Na terça-feira (14), será feito o pagamento da primeira parcela para mais 3,5 milhões de pessoas.

A Secretaria de Comunicação publicou hoje, em suas redes sociais, uma campanha destinada a explicar que o auxílio emergencial a trabalhadores informais é pago pela administração federal, e não por governadores e prefeitos.

Ao comentar sobre o cadastro online dos beneficiados com o auxílio emergencial, Bolsonaro afirmou sem citar nomes que há sites de governos dos estados do Nordeste se apropriando da medida.

"Teve [sic] dois estados do Nordeste, que eu não posso acusar os governadores, pode ser algo feito por uma pessoa qualquer... Mas, por coincidência, nos sites de dois dos estados mais pobres do Nordeste tá lá que o [auxílio emergencial] era do governo do estado tal. Isso é uma fraude, certo? Então não vou acusar o governador nem você [referindo-se ao presidente da Caixa, Pedro Guimarães] porque não temos prova. Mas isso é uma maneira de mostrar que o governador conseguiu os R$ 600."

Hidroxicloroquina e mais indiretas

Outros alvos preferenciais do presidente também receberam menção em sua fala. Ao defender o uso da hidroxicloroquina, retomou elogio ao cardiologista Roberto Kalil Filho, do hospital Sírio Libanês, que, infectado pelo novo coronavírus, admitiu fazer uso do medicamento.

"Ontem mesmo eu havia conversado com o doutor Kalil, que diferentemente daquele outro cara, o outro colega, que é ligado ao governador, falou que usou e também ministrou a pacientes." O "colega" mencionado é o infectologista David Uip, chefe do Centro de Contingência ao Coronavírus em São Paulo, que havia se recusado a falar sobre o uso da substância em seu tratamento e é ligado ao governador João Doria (PSDB-SP), adversário político de Bolsonaro.

O presidente ainda mostrou uma caixa do medicamento e exaltou: "Isso aqui não tem que ser político, isso aqui é vida!"

Isolamento social

Bolsonaro alegou que o Brasil só tem condições de manter medidas econômicas de combate à crise provocada pela covid-19 por até três ou quatro meses. Além disso, disse esperar "em breve, que seja publicado estudo emergencial dando muita força para uso da cloroquina" e reforçou que o uso do medicamento não pode ser politizado.

O presidente Jair Bolsonaro durante live ao lado do presidente da Caixa, Pedro Guimarães - Reprodução/Facebook
O presidente Jair Bolsonaro durante live ao lado do presidente da Caixa, Pedro Guimarães
Imagem: Reprodução/Facebook

Segundo o presidente, o governo federal já investiu mais de R$ 600 bilhões para minimizar os impactos da crise. "Já ultrapassou os R$ 600 bilhões. É isso que o governo está fazendo: tinha uma ponte que deu uma enchente e arrastou a ponte, estamos agora reconstruindo virtualmente a ponte, mas temos um limite: mais de três ou quatro meses fica complicado."

Ele disse esperar que "as atividades voltem antes" deste período. "Por mim, quem não tem medo de quarentena já deveria estar trabalhando", defendeu.

Segundo Bolsonaro, alguns governadores e prefeitos já estão com planos de começar a flexibilizar as ações de restrição no combate ao coronavírus. Um dos políticos que deve fazer isso logo é o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), com quem se reuniu hoje.

Coronavírus