PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

Witzel desabafa sobre covid-19 e culpa Bolsonaro por 'desobediência civil'

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, acusou Bolsonaro de incentivar carreatas contra governadores - Pedro Ladeira/Folhapress
O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, acusou Bolsonaro de incentivar carreatas contra governadores Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

24/04/2020 16h18

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, desabafou sobre os sintomas do coronavírus — ele anunciou o diagnóstico positivo para covid-19 no dia 14.

"Eu passei muito mal, muita febre, meu pulmão foi contaminado. É uma situação que não quero que ninguém passe, você não sabe se vai sobreviver, [a covid-19] deixa sequelas psicológicas", afirmou, em entrevista à Globo News, ao pedir que as pessoas fiquem em casa "pelo amor de Deus".

Ele lamentou que as pessoas continuem saindo às ruas e lembrou que foi contaminado mesmo seguindo as recomendações do Ministério da Saúde.

Witzel mostrou preocupação com as declarações de Jair Bolsonaro em relação à pandemia e culpou o presidente pelo que chamou de "desobediência civil" no Rio de Janeiro.

"Essas carreatas contra os governadores vêm do estímulo que o presidente deu indo às manifestações, que são inoportunas nesse momento", disse. "A PM manda as pessoas saírem da praia, dos calçadões, mas tem gente afrontando os agentes, é um desgaste para as polícias. Depois que o presidente criticou o governo do estado do Rio, as pessoas começam a fazer desobediência civil".

Reabertura

O governador do Rio prometeu que os hospitais de campanha, em construção no Leblon e no Maracanã, ficarão prontos até o meio de maio.

Questionado sobre a retomada dos serviços não essenciais, Witzel disse que só retomará o funcionamento se pelo menos 30% dos leitos de UTI do estado estiverem disponíveis para novos pacientes.

"Não podemos permitir que médicos tenham que decidir quem vive e quem morre, isso é algo que não quero carregar nas minhas costas, na minha história", concluiu.

Coronavírus