PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Dilma: Brasil tem misógino no poder e vive momento tenebroso para mulheres

A ex-presidente Dilma Rousseff disse que Brasil vive um momento tenebroso para as mulheres  - Lucas Lima/UOL/Folhapress
A ex-presidente Dilma Rousseff disse que Brasil vive um momento tenebroso para as mulheres Imagem: Lucas Lima/UOL/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

08/03/2021 14h03Atualizada em 08/03/2021 14h21

Em uma mensagem em referência ao Dia Internacional da Mulher, a ex-presidente da República Dilma Rousseff disse que o Brasil tem um misógino — pessoa com aversão às mulheres — no poder e vive um momento tenebroso para as mulheres.

Dilma não citou nominalmente o nome do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mas escreveu no Twitter que o país enfrenta um período sombrio e brutal desde 2016, quando a ex-presidente sofreu um impeachment.

"O Brasil vive um período sombrio e brutal, desde a minha destituição para alçar ao governo um grupo de homens corruptos, brancos e machistas; e desde a prisão ilegal de Lula para impedi-lo de ser eleito, o que levou à ascensão de um misógino, racista e homofóbico ao poder", disse.

"Vivemos um momento devastador para a democracia, para a soberania nacional, para os direitos do povo e, sobretudo, tenebroso para as mulheres. Hoje, no Brasil, é fator de risco ser mulher, ser mulher negra e ser mulher LBT", completou.

Dilma Rousseff ainda disse que é "justo que as mulheres brasileiras soltem o grito de revolta que têm atravessado na garganta", uma vez que "são os maiores alvos da exclusão e da violência".

"(As mulheres são) as maiores vítimas da pandemia que Bolsonaro agrava ao desprezar a vida e negar vacina e renda suficiente para todos"
Dilma Rousseff, ex-presidente da República

Ela ainda listou os motivos que levam as mulheres a serem as maiores vítimas da pandemia no Brasil.

'Lutar é o verbo que define as mulheres'

Na postagem, Dilma Rousseff ainda incentivou as mulheres a lutarem pela vacina e pela renda emergencial no âmbito da pandemia. Mas disse que elas devem ir além.

"E mais: vamos à luta contra a violência, contra a misoginia, contra este governo de índole fascista, para recuperar os direitos do povo e reconstruir o Brasil', finalizou.

Política