PUBLICIDADE
Topo

Política

Senadores do Podemos começam a escolher equipe da campanha de Moro

Sergio Moro - Reprodução de vídeo
Sergio Moro Imagem: Reprodução de vídeo

Lucas Valença

Do UOL, em Brasília

22/11/2021 04h00

Sem base operacional definida ainda, a equipe da pré-campanha à Presidência da República de Sergio Moro começa a ser escolhida, em especial, pelos senadores Álvaro Dias e Oriovisto Guimarães, ambos representantes do Paraná e filiados ao Podemos. partido ao qual o ex-ministro (e atual adversário) de Jair Bolsonaro se filiou neste mês.

Enquanto os nomes do marqueteiro e de outros integrantes do time de Moro são decididos, a pré-campanha no Podemos tem contado com o apoio de funcionários vinculados à legenda e servidores ligados a parlamentares do partido.

O nome de Moro aparece em terceiro lugar, empatado com Ciro Gomes (PDT) no primeiro turno da disputa presidencial, em pesquisa eleitoral realizada pela Genial Investimentos e a Quaest Consultoria, divulgada no dia 10.

Próximos do ex-ministro, Dias e Oriovisto têm começado a formar o grupo de trabalho que será responsável pela comunicação da futura campanha. Alguns nomes de assessores de deputados e de senadores do Podemos já foram escolhidos, mas a dupla ainda busca quem vai comandar a equipe de imprensa.

Recém-chegada ao grupo que tem tocado a comunicação da pré-campanha, a deputada federal a Dayane Pimentel (PSL-BA), ex-presidente do PSL baiano e ex-aliada de Bolsonaro, enfrenta resistência entre integrantes do grupo de Moro. Em rede social, ela disse que disse que será coordenadora estadual da futura candidatura do ex-juiz.

Para a articulação junto a políticos, a pré-campanha já escolheu o atual diretor de planejamento do Podemos, Douglas Figueiredo, que tem feito um trabalho junto a vereadores e deputados estaduais de diversos estados.

Em entrevista para o programa Conversa com Bial, da Rede Globo, na semana passada, Moro anunciou o economista Affonso Celso Pastore como seu conselheiro econômico, mas não revelou outros nomes da área. Alegou que é melhor manter o sigilo porque "o projeto ainda está sendo construído".

Votos no Norte e Nordeste dependem de ampliação da pauta

Entre os integrantes do grupo já em atuação ao lado de Moro, há o entendimento de que o ex-juiz, agora político, está com o discurso de campanha pronto. O futuro candidato precisa, no entanto, ir além do discurso de combate à corrupção, que mobiliza o eleitorado antipetista, sobretudo no centro-sul do país.

A avaliação é que, para atrair votos em para outras regiões, em especial o Norte e Nordeste, Moro não poderá se limitar ao tema. Será preciso adequar o discurso ao enfrentamento da pobreza e à aplicação de políticas sociais.

Em busca de um marqueteiro

O marqueteiro que auxiliará a campanha ainda não foi definido. Entre os fatores que dificultam a definição está a atuação de Moro como juiz, por ter determinado a prisão de políticos, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e punições baseadas no financiamento de campanha.

Além das restrições impostas pelo passado de Moro na Lava Jato, nomes conhecidos marketing político já estão acertados com outras campanhas. A opção da equipe do ex-ministro é tentar buscar um publicitário desconhecido em disputas no âmbito nacional, mas com experiência com candidaturas estaduais.

Ex-responsável por campanhas do PT e ex-réu da Lava Jato, João Santana foi contratado neste ano pelo PDT para construir a pré-candidatura do ex-governador do Ceará Ciro Gomes. O publicitário Chico Mendez também já está comprometido com o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles.

Auxiliando nas prévias eleitorais do PSDB, o publicitário Daniel Braga, especialista em redes sociais, tem ajudado o governador tucano João Doria (SP). Ex-delator da Lava Jato sobre caixa dois nas campanhas eleitorais do MDB do Rio de Janeiro, Renato Pereira tem montado a pré-candidatura de Marcelo Freixo (PSB) ao governo do Rio. Antes com o tucano Aécio Neves (PSDB), hoje deputado federal, Zuza Nacif deverá ajudar o partido Avante nas eleições de 2022.

Política