PUBLICIDADE
Topo

Política

MPF avalia questionar Twitter sobre combate a fake news após compra de Musk

O bilionário Elon Musk, que hoje adquiriu o Twitter por US$ 44 bilhões - REUTERS/Mike Blake
O bilionário Elon Musk, que hoje adquiriu o Twitter por US$ 44 bilhões Imagem: REUTERS/Mike Blake

Paulo Roberto Netto

Colaboração para o UOL, de Brasília

25/04/2022 17h22Atualizada em 25/04/2022 19h08

O MPF (Ministério Público Federal) avalia questionar o Twitter no Brasil se a compra da plataforma pelo bilionário Elon Musk afetará as políticas de combate à desinformação na rede social. A transação foi anunciada nesta segunda-feira (25) por US$ 44 bilhões (R$ 214 bilhões).

O ofício será elaborado dentro da apuração sobre como as plataformas lidam com fake news em suas plataformas. Em janeiro, a Procuradoria cobrou os motivos pelos quais o Twitter não mantinha no Brasil um canal de denúncia sobre desinformação envolvendo covid-19. Pressionada, a plataforma incluiu o país nos testes.

A avaliação do MPF é saber se haverá, e quais seriam, as mudanças da plataforma em suas políticas de combate à desinformação com a nova gestão de Musk.

O questionamento não deve ser enviado imediatamente, uma vez que a compra do Twitter ainda está sendo formalizada nos Estados Unidos e deve se estender pelos próximos meses, mas já está no radar do MPF.

Em declarações recentes, Elon Musk criticou algumas políticas da plataforma. Após a compra, o bilionário disse que busca priorizar a "liberdade de expressão" e, embora não tenha divulgado seus planos para o Twitter, já citou uma possível moderação de conteúdo mais branda e descentralizada.

"Liberdade de expressão é a base do funcionamento da democracia, e o Twitter é a praça de discussão digital, onde são debatidos os assuntos vitais para o futuro da humanidade", disse Musk em comunicado. "Também quero tornar o Twitter melhor ao aprimorar o produto, acrescentando novos recursos".

Musk cita que quer tornar públicos os algoritmos da rede, para que as pessoas confiem mais na plataforma, e combater bots (robôs ou usuários de comportamento automatizado) que semeiam spam.

Ministro de Bolsonaro comemora compra

Depois do anúncio da compra do Twitter por Elon Musk, o ministro das Comunicações, Fabio Faria, celebrou a transação na rede social.

"Congratulations, Elon Musk! Mais uma vez você está a dois passos na frente dos outros players e agora faz um gesto ao mundo e em defesa da liberdade!", escreveu.

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro e seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) compartilharam uma mensagem de Musk.

O bilionário havia escrito que esperava que até seus piores críticos continuassem na plataforma após a compra do Twitter. "Porque isso é o que a liberdade de expressão significa", escreveu Musk.

Política