PUBLICIDADE
Topo

7 fatos sobre o novo ministro da Saúde, Marcelo Castro (PMDB)

Evaristo Sá/AFP
Imagem: Evaristo Sá/AFP

Do UOL, em São Paulo (SP)

02/10/2015 16h19Atualizada em 02/10/2015 19h00

O deputado federal Marcelo Castro (PMBD-PI) foi indicado nesta sexta-feira (2), pela presidente Dilma Rousseff, para assumir o ministério da Saúde. Eleito cinco vezes para o cargo, o deputado deixa o quinto mandato para assumir a pasta. Ele teve seu nome levado à presidente Dilma Rousseff pelo líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), e é ligado ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

(Com informações do Estadão Conteúdo, portal Transparência Brasil e Folha de S. Paulo)

Veja fatos sobre o novo ministro da Saúde:

  • Médico e psiquiatra

    Marcelo Castro é formado em Medicina pela Universidade Federal do Piauí (UFPI) e doutor em Psiquiatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

  • Presidente do PMDB estadual

    É o atual presidente da executiva estadual do PMDB. O partido teve a prestação de contas de 2010 rejeitada, quando o parlamentar presidia o diretório estadual

  • Patrimônio cresceu 117%

    A variação dos bens do deputado cresceu 117% entre 2010 e 2014. O patrimônio declarado por Marcelo Castro, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, na última eleição, foi de R$ 1.369.937,07. Na de 2010, o total era de R$ 629.274,77, um aumento de 117%

  • Relator da reforma política

    Foi relator da reforma política e teve seu relatório desprezado pela Câmara e classificado como de pouca "inteligência política" pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Cunha havia indicado o correligionário para relatar o tema, mas não gostou do resultado final. Devido a isso, patrocinou uma manobra para levar o projeto a votação diretamente no plenário, ignorando o texto de Castro e nomeando outro relator, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ao ter o trabalho descartado, Castro trocou críticas públicas com Cunha, mas depois retomou a relação com o presidente da Casa.

  • Secretário da Agricultura no Piauí

    No primeiro governo Mão Santa foi presidente do Instituto de Assistência e Previdência do Estado do Piauí (IAPEP) voltando ao PMDB e sendo eleito deputado federal em 1998, sendo o primeiro deputado federal piauiense a romper a marca dos cem mil votos. Foi Secretário da Agricultura do Estado do Piauí de 1999 a 2001, no segundo mandato de Mão Santa.

  • Defendeu divisão equitativa do pré-sal

    Foi coautor da emenda do pré-sal, juntamente com Ibsen Pinheiro (PMDB ? RS) e Humberto Souto (PPS ? MG). Defendeu a distribuição equitativa para todos os estados e municípios dos royalties derivados do petróleo do pré-sal

  • A favor da CPMF

    Já nesta sexta-feira, Marcelo Castro defendeu a recriação da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira). Castro quer que a CPMF seja "permanente" e disse que o tributo é o "melhor imposto que existe", que a população "não vai nem sentir" o impacto do novo tributo e que a sociedade estaria disposta a fazer esse "sacrifício" para ter mais qualidade na saúde