PUBLICIDADE
Topo

Estresse é a principal causa de recaída entre ex-fumantes, mostra estudo

Para prevenir recaídas nos três meses iniciais é possível empregar recursos de “resgate”, como goma de nicotina, em especial nos momentos de estresse - Thinkstock
Para prevenir recaídas nos três meses iniciais é possível empregar recursos de “resgate”, como goma de nicotina, em especial nos momentos de estresse Imagem: Thinkstock

Do UOL

Em São Paulo

31/05/2012 07h00

Do total de fumantes que fazem tratamento para deixar o cigarro, cerca de 30% voltam a fumar. Situações agudas de estresse e ansiedade, como perda de pessoas queridas, separações e problemas financeiros, são as principais causas de recaída. É o que mostra um estudo realizado com 820 pacientes no país.

O levantamento foi coordenado pela cardiologista Jaqueline Scholz, do Instituto do Coração (Incor). A médica é criadora do Programa de Assistência ao Fumante (PAF), utilizado atualmente em 19 instituições.

O estresse agudo foi o gatilho para que 31% dos ex-fumantes que retomaram o vício.

A maioria das recaídas (cerca de 60%) ocorre nos três primeiros meses de tratamento – a fase mais crítica. Vencida esta etapa, o índice cai para 17% a 20% no período de um ano e despenca para 1,5% após 12 meses.

Os dado foram apresentados em março no congresso da Sociedade para Pesquisa Sobre Nicotina e Tabaco, nos EUA.

Descuido

Segundo a pesquisa, quem vence o difícil período de três a seis meses de abstinência acaba caindo numa armadilha comum: o descuido. O paciente acha que superou o vício e que uma tragadinha eventual não vai comprometer a decisão. E assim, aos poucos, retoma o hábito.

Segundo a cardiologista, para prevenir recaídas nos três meses iniciais é possível empregar recursos de “resgate”, como goma ou pastilhas de nicotina, em especial nos momentos de estresse. Já para evitar que os pacientes voltem a fumar por descuido, é importante intensificar orientações que alertem para o risco ainda presente.

Ela diz que o número de consultas médicas também faz diferença no sucesso tratamento. Os pacientes que conseguiram ficar um ano sem fumar passaram por pelo menos quatro ou cinco consultas nos meses iniciais.

Ganho de peso

Preocupação tipica de quem vai parar de fumar, o ganho de peso não se mostrou um fator relevante para as recaídas, de acordo com o estudo.

De 568 pacientes acompanhados durante um ano, 73% ganharam peso, 17% mantiveram o patamar inicial e 10% ficaram mais magros. O primeiro grupo ganhou em média cinco quilos, sendo que as mulheres engordaram mais do que os homens: sete quilos contra 5,5 no grupo masculino.

Apesar dos resultados, a grande maioria dos pacientes relatou que os benefícios da abstinência superaram o impacto do ganho de peso.

Veja dicas para se livrar do vício do cigarro
Veja Álbum de fotos

Notícias