Topo

Médicos brasileiros fazem protesto contra programa federal no RJ

Do UOL, em São Paulo

2013-10-08T12:13:10

08/10/2013 12h13

Um pequeno grupo de médicos faz protesto em frente ao prédio do Ministério da Saúde, no Rio, contra o programa Mais Médicos. O Cremerj (Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro) e o sindicato da categoria fizeram a mobilização, que, segundo seus representantes, tem nesta terça-feira (8), dimensão nacional.

  • Arte UOL

    Saiba qual a proporção de médicos em cada Estado e o panorama em outros países

Segundo o Cremerj, nenhum dos dez profissionais do programa que pediram o registro para trabalhar no Estado apresentou os "documentos mínimos" para exercer a profissão, como diploma traduzido, endereço do futuro local de trabalho e nome do preceptor - o que seria necessário para que seu trabalho fosse fiscalizado -, por isso ainda não foram liberados.

Pelo menos 24 Estados brasileiros participarão de protestos nesta terça-feira (8), dia em que a Medida Provisória 621/13, que oficializa o programa Mais Médicos, será votada na Câmara dos Deputados. As manifestações foram convocadas pela Fenam (Federação Nacional dos Médicos) na última sexta-feira (4).

Amapá e Rio Grande do Norte serão os únicos em que haverá paralisação total dos serviços, inclusive consultas agendadas. Os atendimentos de urgência e emergência funcionarão normalmente. Os profissionais do RN também participarão de um protesto às 16h em frente ao Sinmed-RN (Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte).

Com a paralisação, os médicos pretendem forçar o governo a rever o texto da MP, que visa, entre outras questões, passar para o Ministério da Saúde a responsabilidade de emitir um registro único para os médicos intercambistas que participarão do programa. A função atualmente é dos conselhos regionais de medicina.

No Ceará, os médicos paralisarão os trabalhos por uma hora a partir das 15h. Outros Estados também optaram por realizar manifestações contra o programa federal. Na Bahia, os médicos participarão de um protesto às 16h, no largo de Ondina, e em Mato Grosso (MT) a previsão é que os profissionais passem pelas unidades de saúde pública e privadas explicando os pontos negativos da MP.

Alguns profissionais também acompanharão a votação da MP na Câmara dos Deputados. A diretoria do sindicato de São Paulo, bem como 15 médicos de Pernambuco, estarão presentes no plenário.

Já o presidente do sindicato do Distrito Federal participará de uma reunião com o líder do governo na Câmara dos Deputados para negociação antes da votação do texto. No Pará e no Mato Grosso do Sul, haverá assembleias para definir as ações que serão tomadas.

Na Paraíba, o presidente do sindicato participará de programas de rádio do Estado para abordar os problemas da MP do Mais Médicos.  No Paraná, o sindicato e os deputados participarão de um debate sobre um plano de carreira médica.

No Rio Grande do Sul, os médicos compartilharão a nota oficial do sindicato durante consulta com os pacientes. E, segundo a Fenam, os médicos do Amazonas e de Roraima usarão roupas pretas em sinal de luto durante o atendimento aos pacientes.

De acordo com a Fenam, Maranhão, Sergipe, Piauí, Rondônia, Tocantins, Santa Catarina, Minas Gerai, Espírito Santo, Alagoas, Goiás e Acre não terão manifestações convocadas pelos sindicatos, ficando a cargo dos médicos da região a mobilização.

(Com Agência Estado)

Mais Ciência e Saúde