Topo

EUA começam testes com vacina experimental contra ebola em humanos

Do UOL, em São Paulo

2014-09-02T16:46:31

02/09/2014 16h46

Testes com uma vacina experimental contra o ebola começaram a ser feitos esta semana em voluntários no centro clínico do National Institutes of Health, em Maryland, nos Estados Unidos.

Pelo menos 20 adultos saudáveis, com idades entre 18 e 50 anos, divididos em dois grupos de dez participantes, receberão uma única injeção da vacina durante essa semana. 

A vacina é bivalente, isto é, tem em sua composição fragmentos dos vírus ebola zaire e ebola sudão, que, em vez de causarem a infecção por ebola, em tese, causariam uma resposta imune ao indivíduo que for toma-la.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-lista','/2014/saiba-mais-sobre-ebola-1408478165378.vm')

É a disseminação do ebola zaire responsável pela epidemia de ebola que acomete Serra Leoa, Guiné, Libéria, Nigéria e Senegal. O surto já deixou mais de 3.000 infectados e mais de 1.500 mortos de fevereiro a setembro, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde).

A vacina passa pela fase um de ensaios clínicos, em um total de três até que chegue a população. Nessa etapa, as doses são testadas apenas em um pequeno grupo de pessoas para avaliar sua segurança e a resposta imune que provoca.

Segundo o NIH, com sede em Bethesda, não há risco dos voluntários contraírem ebola ao tomarem a vacina.

"Há necessidade urgente de uma vacina protetora do ebola, e é importante estabelecer que ela seja segura e estimule o sistema imunológico a reagir de uma forma necessária para proteger contra a infecção", disse Anthony S. Fauci, diretor do NIH.

A criação da vacina foi feita pelo NIH junto com o Instituto de Pesquisa Médica do Exército dos EUA e da empresa de biotecnologia suíça-italiana Okairos, adquirida pela GSK em 2013.

A mesma vacina será testada em voluntários no Reino Unido, na Gâmbia e no Mali, com ensaios de fase um liderados por pesquisadores da Universidade Oxford.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-lista','/2014/leia-mais-sobre-o-ebola-1406136364578.vm')

Mais Ciência e Saúde