Topo

Unicamp vira polo agregador de pesquisas de câncer de mama

Reprodução/P.Ink
Tatuagens cobrem cicatrizes de sobreviventes de câncer de mama Imagem: Reprodução/P.Ink

Fabiana Marchezi

Do UOL, em Campinas (SP)

2015-06-17T15:00:00

17/06/2015 15h00

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) fechou uma parceria com o Baylor College of Medicine (BCM) e com a Fundação Susan G. Komen, ambos do Texas (EUA), para tornar o Caism (Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher) um polo agregador de pesquisas sobre o câncer de mama.

Além de aprimorar pesquisas e tratamentos que combatam a doença, a parceria vai possibilitar o intercâmbio de docentes, pesquisadores e alunos da graduação, pós-graduação e de pós-doutorado.

“Na prática, o acordo visa uma troca de conhecimentos e planejamentos para que possamos entender o comportamento do câncer de mama no Brasil, em comparação com o comportamento da doença em outras sociedades, como a americana, por exemplo. A ideia é agregar recursos incomuns, projetos incomuns e reforço de tecnologia e orientação, de maneira a melhorar o panorama da pesquisa de câncer de mama no Brasil”, afirma o chefe do setor de mastologia do Caism, César Cabello dos Santos.

Segundo Santos, o Brasil tem uma etnia bastante variada e não se sabe exatamente qual a influência disso sobre a doença, que registra 50 mil novos casos por ano somente no País. São 500 casos novos da doença registrados anualmente só no Caism.

“Nós fazemos muitas pesquisas aqui e ter parceiros reconhecidos só aumenta nosso potencial para buscarmos mais pesquisas e tratamentos que resultem em melhorias na vida das nossas pacientes, tanto as diagnosticadas quanto as que têm alto risco para a doença”, disse Santos.

A parceria também prevê publicações em conjunto de dados científicos e o reconhecimento mútuo dos cursos realizados. “Os pesquisadores do Caism poderão encontrar mentores de pesquisa lá fora”, explicou Santos. Dois deles, já foram orientados pelo professor da BCM Mattew Ellis, um dos maiores especialistas de câncer de mama nos Estados Unidos, que é o mentor da parceria.
 

Mais Ciência e Saúde